sábado, 18 de maio de 2013

Escravidão: mácula no passado – frutos na cultura e na formação da raça brasileira!

Escravidão: mácula no passado – frutos na cultura e na formação
da raça brasileira! 






“De tudo o que plantaram, nada lhes restou... nem da terra, nem
dos frutos. Apenas a liberdade.” - Benedito Ruy Barbosa.
 (Novela Sinhá Moça, capítulo final.)


Portugal, desde 1526, praticou o tráfico negreiro para a América do Norte, Antilhas e Brasil. No livro Lázaro Redivivo (1), Humberto de Campos diz-nos que, segundo Rio Branco, o primeiro contrato de introdução de escravos no Brasil ocorreu em 1583.

A escravatura no Brasil, de dores intensas, que ainda perduram nos planos físico e espiritual – pela crueldade inconcebível de alguns ‘senhores’ de escravos –, é mancha que muito pesa sobre nossa gente e nossa pátria! Ignorar as Leis da Vida conduz ao sofrimento, à irresignação e à revolta, por séculos, até que nos arrependamos e reparemos nossas faltas! É uma dívida coletiva.

Cremos que as duas longas ditaduras; o período inflacionário; muitas doenças físicas e mentais, atuais e futuras, são sequelas dessas atrocidades – eis que a abolição formal não muda mentes de encarnados e desencarnados, a cultivar ódios recíprocos.

Em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho (2) lemos:

“O elemento indígena foi chamado a colaborar na edificação da pátria nova; almas bem-aventuradas pelas suas renúncias se corporificaram nas costas da África flagelada e oprimida e, juntas a outros Espíritos em prova, formaram a falange abnegada que veio escrever na Terra de Santa Cruz, com os seus sacrifícios e com os seus sofrimentos, um dos mais belos poemas da raça negra em favor da humanidade.”

(...)

“Os filhos da África foram humilhados e abatidos (...) e, do manancial de humildade de seus corações resignados e tristes, nasceram lições comovedoras (...), dotando-se a alma brasileira dos mais belos sentimentos de fraternidade, de ternura e de perdão.”

À p. 68, afirma que Ismael (Mentor do Brasil), autorizado por Jesus, convidou à reencarnação, na raça negra, para que se redimissem:

“(...) antigos batalhadores das cruzadas, senhores feudais da Idade Média, padres e inquisidores, espíritos rebeldes e revoltados, (...).”

O livro Memórias de um Suicida (3) amplia essas notícias:

“(...) Sabei que entre os escravos que, sob os céus do Cruzeiro Sublime, choraram (...) Grandes falanges de romanos ilustres, do império dos Césares; de patrícios orgulhosos, de guerreiros altivos, autoridades das hostes de Diocleciano, como de Adriano e Maxêncio, dolorosamente arrependidas (...) expungiram, sob o cativeiro africano a mancha que lhes enodoava o Espírito!

(...)

“Daí (...) a doce, mesmo sublime resignação dessa raça africana digna, por todos os motivos, da nossa admiração e do nosso respeito, a passividade heroica que nem sempre se estribou na ignorância (...) mas também no desejo ardente e sublime da própria reabilitação espiritual!”

Sofriam eles os efeitos da Lei de Ação e Reação! Mas a crueldade a que foram submetidos, no Brasil colonial, não fora autorizada por Jesus. Com essas ações desumanas, homens bárbaros, brancos e negros, assumiram para eles próprios futuro de dores imensas; porque “(...) não perceberam que a evolução se processa pela prática do bem (...).” – p. 51.

*

Brasil afora, campanhas libertárias antecederam a abolição da escravatura.

Na Regência Trina Permanente, em 07.11.1831, uma Lei declarava livres todos os negros que a partir daí viessem para o Império. Mas o tráfico ilegal prosseguiu.

Em 04.09.1850, a Lei Eusébio de Queirós, proibia, taxativamente, o tráfico negreiro.

Gente do povo aderiu à campanha abolicionista e, em atos comoventes, revelaram grandeza d’alma, sentimento fraternal. No Ceará, jangadeiros negaram-se a transportar escravos para os navios que os trariam aos Estados do sudeste brasileiro, na triste prática do tráfico interno. Nesse Estado, em 25.03.1884, a escravidão foi extinta. Nesse mesmo ano, o Amazonas abole a escravidão; e, no sul, Porto Alegre.

Ao longo do século XIX, Leis – além das indicadas – e outras decisões contribuíram para suavizar a vida dos escravos, no Brasil:

– Em 1866, foram libertados os escravos que lutaram na Guerra do Paraguai;

– Em 1869, uma lei proibia a venda de escravos em leilões públicos e a separação da família;

– Em 28.09.1871, aprovou-se a Lei do Ventre Livre: nascituros seriam livres;

– Em 28.09.1885, a Lei dos Sexagenários;

– Outro fato notável: a partir de 1887 o Exército Imperial negava-se a capturar escravos fugidos;

– Esse processo libertador culmina, afinal, em 13.05.1888, com a promulgação da Lei Áurea, pela Princesa Imperial Regente, Isabel!

Lei que levou a família imperial ao exílio, com a proclamação da República, em 15.11.1889 – não obstante a generosidade de D. Pedro II, amado pela população brasileira até os dias de hoje, por quem conhece sua vida e o amor que dedicou à pátria!

“Não é nosso intento fazer a apologia da escravidão, cujos horrores principalmente macularam o homem branco e sobre ele recaíram. Mas a escravidão no Brasil foi para os negros a reabilitação deles próprios e trouxe para a descendência deles uma pátria, a paz e a liberdade e outros bens que pais e filhos jamais lograriam gozar, ou sequer entrever no seio bárbaro da África.” – Citado em Brasil, mais além. RIBEIRO, João. História do Brasil. RJ, Livraria São José, 1957, 16. Ed., p. 210.

Defendem – uns por desconhecer os fatos espirituais acima – como o Dia Nacional do Negro no Brasil não o 13 de maio, mas, sim, o da morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares: 20 de novembro. (J. Raul Teixeira - O Consolador, n. 5.)

Não podemos ignorar os esforços de tantos brasileiros que, corajosamente, lutaram por essa nobre causa! Valorizemos as duas datas!

Defendemos o direito à liberdade de consciência, de pensamento, de dirigir a própria vida. Libertemo-nos de preconceitos, de vícios, da ignorância, do fanatismo...

*

Benefícios perenes sobrevieram ao Brasil, com essa participação da raça negra: a miscigenação racial; o sentimento fraternal; a doçura e a humildade; hábitos alimentares; a musicalidade; as palavras – com imensa riqueza vocabular –, arraigaram-se em nossa sociedade, de tal forma que todos trazemos no sangue essa herança bendita, com marcas da origem africana!

E essa presença está na literatura, na toponímia, na culinária, na religião – cujas crenças devemos respeitar! –, nas artes em geral, especialmente na música (no samba e em outros ritmos).

Por falar nesse tema, outra “das mais lindas canções que ouvi” é a dolente, melancólica música Sinhá, de João Bosco e Chico Buarque, lançada em 2011 – que nos remete, em belíssima poesia, à escravidão!

Para ouvi-la basta clicar em https://www.youtube.com/watch?v=T4CP6aCXq9I

Eis sua letra:

Sinhá

Se a dona se banhou,

Eu não estava lá!

Por Deus Nosso Senhor,

Eu não olhei Sinhá!

Estava lá na roça;

Sou de olhar ninguém!

Não tenho mais cobiça,

Nem enxergo bem.

Pra que me pôr no tronco?

Pra que me aleijar?

Eu juro a vosmecê

Que nunca vi Sinhá!

Por que me faz tão mal,

Com olhos tão azuis,

Me benzo com o sinal

Da santa cruz!

Eu só cheguei no açude

Atrás da sabiá;

Olhava o arvoredo!

Eu não olhei Sinhá!

Se a dona se despiu,

Eu já andava além:

Estava na moenda;

Estava pra Xerém!

Por que talhar meu corpo?

Eu não olhei Sinhá!

Pra que que vosmincê

Meus olhos vai furar?

Eu choro em iorubá,

Mas oro por Jesus!

Pra que que vassuncê

Me tira a luz?

E assim vai se encerrar

O conto de um cantor,

Com voz de pelourinho

E ares de senhor.

Cantor atormentado,

Herdeiro sarará

Do nome e do renome

De um feroz senhor de engenho;

E das mandingas de um escravo,

Que no engenho enfeitiçou Sinhá!

*

Homenageamos aqui a mãe índia e a mãe preta – de seios fartos e coração rico de nobreza, de generosidade –, ora a alimentar, com terna doçura e belo sorriso de bondade, tanto o pretinho sofrido da senzala quanto o filho do ‘senhor’; a cantar, saudosa, canções africanas; a embalá-los para que adormeçam! Duas raças nobres, às quais tanto devemos e cujo sangue corre em nossas veias; queiramos, ou não!

Foram as primeiras e são, ainda, mães forjadoras da raça brasileira. Sem falar no legado primoroso da graça, da beleza e da doçura da mulher de nossa terra, que a todos nos encanta, a brasileiros e a estrangeiros!

Orgulhemo-nos de todas elas!



Referências:

1.       XAVIER, Francisco C. Lázaro Redivivo. Pelo Espírito Irmão X. 6. Ed., Rio de Janeiro: FEB, 1978.  P. 25 e 54, cap. 34. p. 263.

2.       XAVIER, Francisco C. Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Pelo Espírito Humberto de Campos. 12. ed., Rio de Janeiro: FEB, 1979, p. 238;

3.       PEREIRA, Yvonne A. Memórias de um Suicida. 8ed., Rio de Janeiro: 1979, p. 568.


Nenhum comentário:

Postar um comentário