sábado, 4 de maio de 2013

A HERANÇA CULTURAL DE PESTALOZZI PARA KARDEC


A HERANÇA CULTURAL DE PESTALOZZI PARA KARDEC

Pestalozzi1818-Lithographie-nach-Hippius-1818-55pr

“(...)Existe uma herança cultural herdada por Rivail, além de Pestalozzi, relembramos a tradição filosófica protestante Europeia, com Jam Amos Comenius (1592-1670), discípulo de Jan Huss, considerado um revolucionário da educação”.

(...)“Comenius pregava uma educação para todas as camadas sociais e abominava os castigos baseados em temores as crianças”. (Dori Incontri / Kardec o Educador.)

Jean Jacques Rousseau (1772-1778), em sua obra clássica o Emílio ele propõe que “O homem nasce bom, mais tarde, por culpa da educação e da sociedade ele degenera”. e diz também que : “ Tudo é certo, saindo das mãos do criador, tudo degenera nas mãos do homem. Ele foi considerado o Copérnico da educação por essa obra.” (10)

HERANÇA CULTURAL

Existe uma ligação histórica de personagens e de ideias, referindo-se a uma herança cultural que Rivail recebe, de seus antecessores.
· “Comenius que viveu no século XVII, Rousseau que vivera no século XVIII, Pestalozzi que viveu no século XVIII e XIX e finalmente Allan Kardec que vivera no século XIX”. (11)

Após estudos minuciosos de tais personagens chegamos à conclusão, que realmente existe esta herança cultural, histórica, e um entrelaçamento de continuidade de ideias, e conseguimos perceber na Revista Espírita artigos escritos por Allan Kardec quando ele emite opiniões sobre determinados assuntos.

Realmente a influência de Comenius foi muito grande na vida de Rousseau, Pestalozzi e na vida de Rivail como educador.

“(...)Pestalozzi fora uma homem muito engajado em seu tempo, foi condecorado como membro honorário da Revolução Francesa, ele mantinha contato com vários filósofos e artistas como Fichthe, Goethe, e tinha uma grande participação na vida política da Europa. Ele era um visionário para sua época” (12)

“(...) Pestalozzi elabora em sua filosofia uma visão integral do homem no que tange a moral, intelectual e físico”.

“Pestalozzi resolve com suas economias adquirir uma fazenda em NEUHOF (1774-1779), para iniciar seu trabalho com crianças pobres em Neuhof, colocando em pratica sua filosofia pedagógica aos necessitados o objetivo era ensinar as crianças a lerem, escreverem, trabalharem, orarem, seu objetivo era acolher os desafortunados .
Ele acreditava que através da educação poderia desenvolver além de uma profissão uma formação moral correta, para aquelas pobres criaturas que muitas delas viviam na orfandade após as guerras e revoluções da época. O projeto da Fazenda- Escola tinha como meta:

Ele pretendia fazer com que ela se auto-sustentasse com base nas atividades desenvolvidas pelos seus alunos. Infelizmente ocorreram vários fatores que propiciaram que seu projeto viesse à falência como: doenças, problemas climáticos, falta de apoio dos políticos da região”.

Pestalozzi depara-se com sua ruína financeira a partir de então.

Encontramos um fato marcante na vida de Pestalozzi, onde ele dá prova de sua grandiosidade espiritual, e seu desapego aos bens terrenos, após ter perdido todo seu dinheiro no investimento da fazenda de NEUHOF, ao ser abordado por um faminto necessitado que pedia esmola, ficou consternado com a situação, e como não tinha dinheiro nenhum para dar ao necessitado, ele tirou as fivelas de pratas de seu sapato e lançou mão ao mendigo, e resolveu atar seus sapatos com palha.(13)

Pestalozzi possuía uma pedagogia Filantrópica e o exemplo acima é uma exemplificação clara de seus atos perante o próximo.

Vamos encontrar um comentário de J Herculano Pires, quando ele fala da Pedagogia Filantrópica de Pestalozzi:

“As obras de assistência correspondem ao dever de fraternidade, que a Doutrina nos desperta, e não deveremos jamais descuidar delas”.
“Mais isso não impede, que cuidemos também da assistência educacional, lembrando-nos da Pedagogia Filantrópica de Pestalozzi, seguida por seu discípulo o Prof. Denizard Rivail, mais tarde como Allan Kardec”.

(...) “Diante a miséria que se encontrava, Pestalozzi foi acolhido por amigos, auxiliando com suas necessidades básicas, nesse ínterin ele teve tempo de escrever outra obra “O Crepúsculo de um eremita”.

O que o fez escrever o sugestivo título Crepúsculo de um eremita, acha em si mesmo a verdade e com a inteira segurança de sua própria identidade, dedica a vida à formação de crianças pobres e ricas, trabalhando por uma educação universal, igualitária e integral. E avisa: “a verdade pura, haurida do íntimo do nosso ser, é a mesma verdade de todos os homens.
 Ela será a verdade unificadora dos que lutam.” (PESTALOZZI, 83:8)

Depois de algum tempo Pestalozzi escreve sua obra mais conhecida Leonardo e Gertrudes, escrito em 04 tomos, que pode ser considerada um romance pedagógico, um romance onde narra a reforma gradual feita primeiro numa casa, depois numa aldeia, frutos dos esforços de uma mulher boa , educadora, religiosa e dedicada ( Gertrudes), o personagem Arner, tenta de todas as formas mudar o contexto social degredado da aldeia

Nenhum comentário:

Postar um comentário