quarta-feira, 8 de maio de 2013

Ânsia por solidão ,,,,continua

Ânsia por solidão 

 Naturalmente existem ocasiões em que é necessário e também possível distanciar se da massa. É fato notório que a companhia ininterrupta de tantos parceiros de 
sofrimento, à toda hora, em todos os atos triviais do cotidiano, cria muitas vezes uma 
ânsia irresistível de escapar dessa permanente comunhão compulsória, ao menos 
por algum tempo. A gente é tomado pelo desejo profundo de ficar sozinho consigo 
mesmo e com os próprios pensamentos, pela saudade de um lugar de recolhimento 
e solidão. 
 Eu já me encontrava em outro campo na Baviera, num assim chamado campo de 
repouso, no qual pude então finalmente trabalhar como médico durante uma grande 
epidemia de tifo exantemático. Durante certo período tive ali a felicidade de poder 
retirar-me para a tão almejada solidão, ao menos por alguns minutos. Atrás do 
galpão de enfermos, um barracão de chão batido em que se amontoavam cerca de 
cinqüenta companheiros com febre alta, delirantes, havia um cantinho sossegado, 
onde a cerca dupla de arame farpado que circunda o campo formava uma esquina. 
Ali tinham improvisado com algumas estacas e galhos uma espécie de barraca na 
qual se jogava a meia dúzia de cadáveres "produzidos" diariamente em nosso 
campo - que era considerado pequeno! Havia ali no chão uma abertura de acesso à 
canalização subterrânea, fechada com tampa de madeira. Nesta eu me sentava, 
sempre que me podiam dispensar por alguns minutos como médico no galpão. 
Aninhado ali, eu contemplava por entre a vinheta obrigatória do arame farpado - os 
vastos campos verdejantes e floridos, as distantes colinas azuis da paisagem 
bávara. Ali eu sonhava os sonhos de minha saudade e enviava meus pensamentos 
para bem longe, para o norte e nordeste, onde supunha pessoas amadas. Agora, 
porém, somente enxergava ali nuvens de perfil estranho e bizarro. Atirados a meu 
lado os cadáveres cheios de piolhos não chegavam a me perturbar. Arrancavam-me 
dos meus sonhos apenas os passos do vigia a patrulhar periodicamente a cerca de 
arame farpado, ou talvez um chamado do galpão a me mandar para a enfermaria 
central a fim de receber medicamentos recém-chegados para a minha estação de 
quarentena: cinco ou dez comprimidos de um sucedâneo de Aspirina, ou Cardiazol, 
para tratar cinqüenta pacientes durante vários dias. Ia buscá-los e fazia então a 
"visitação": de companheiro a companheiro, sentindo-lhes o pulso e dando meio 
comprimido nos casos graves. Mas os casos extremos não recebiam medicação 
nenhuma; ela ficava reservada para aqueles que ainda tinham chances de cura. Aos 
casos mais leves eu nada podia dar, a não ser talvez uma palavra de apoio. Assim 
eu me arrastava de um companheiro até outro, debilitado e desgastado fisicamente 
ao extremo, uma vez que eu mesmo havia pouco estivera gravemente enfermo de 
tifo exantemático. Em seguida me retirava novamente por um momento em solidão, 
e me assentava mais uma vez sobre a tampa de madeira do hidrante subterrâneo. 
 Esta, aliás, certa vez salvou a vida de três companheiros. Pouco antes da 
libertação houve transportes em massa (alegava-se, para Dachau), dos quais três 
companheiros meus, precavidamente, quiseram safar-se. Entraram por aquela 
abertura e ali se esconderam da guarda do campo que esquadrinhava todo o 
terreno. Naqueles minutos de ansiedade, eu mesmo, aparentando serenidade 
exterior, fiquei sentado sobre a tampa da abertura, diligentemente ignorando os 
guardas a procurar desconfiados. Parece que, num primeiro momento, tiveram 
suspeitas e queriam levantar a tampa. Mudaram, porém, de idéia e passaram por 
mim, sentado ali a olhar inocente e tranqüilo, atirando pedrinhas na cerca, fingindo 
ares de quem não quer nada com nada. Um guarda, que me viu daquele jeito, 
hesitou por um segundo, mas foi só. Desarmado que foi em sua suspeita, pelo quadro que se lhe apresentava, continuou a sua busca. Logo pude avisar aos três 
companheiros lá no fundo que já passara o maior dos perigos. 
Joguete do destino 
 Quem não vivenciou pessoalmente a situação reinante num campo de 
concentração não faz a menor idéia da radical insignificância a que se reduz o valor 
da vida do indivíduo ali internado. A pessoa com isso perde a sensibilidade, e no 
máximo ainda se dava conta desse desprezo pela existência de indivíduos humanos 
quando se organizavam transportes de enfermos. Os destinados para o transporte, 
aqueles corpos consumidos, são simplesmente jogados em cima de carretas de 
duas rodas, puxadas então pelos próprios prisioneiros, quilômetros a fio, em plena 
nevasca. Se alguém já estava morto, tinha que ir junto assim mesmo. A lista tinha 
que conferir! A lista é o principal, a pessoa somente importa na medida em que tem 
um número de prisioneiro, representando literalmente apenas um número. Viva ou 
morta - não vem ao caso. A "vida" do "número" é irrelevante. O que está por trás 
deste número, o que representa esta vida, é menos importante ainda: o destino - a 
história - o nome de uma pessoa. Por exemplo, naquele transporte de doentes em 
que, na qualidade de médico, fui transferido de um campo bávaro para outro, havia 
um jovem companheiro que teria de deixar para trás seu irmão, porque este não 
estava na lista. Ficou pedinchando junto ao chefe do campo até que este resolveu 
trocar um que estava na lista, mas queria cair fora no último instante, pelo tão amado 
irmão. Mas a lista precisava ser cumprida! Nada mais fácil: o irmão simplesmente 
adotou o número de prisioneiro, nome e sobrenome do companheiro que ficaria em 
seu lugar, e vice-versa; pois, como já mencionamos, todos no campo de 
concentração há muito já não mais possuíam seus documentos, e cada um se dava 
por feliz quando podia considerar propriamente seu nada mais que este seu 
organismo ainda a respirar, apesar de tudo. O resto, o que ainda pendia sobre a 
esquálida pele desses semi-esqueletos em farrapos, só interessava ainda aos que 
ficavam para trás. Com olho clínico e indisfarçada curiosidade, eram vistoriados os 
"muçulmanos" destacados para o transporte, a fim de verificar se seus sapatos e 
suas capas não estavam ainda em estado um pouco melhor que os próprios. Afinal 
de contas, o seu destino estava selado. Entretanto, para aqueles que podiam ficar e 
tinham relativas condições de trabalhar, valia tudo que servisse para aumentar a sua 
chance de sobrevivência. Sentimentais é que não eram. . . 
 A perda da sensação de ainda ser sujeito humano é agravada pelo fato de a 
pessoa no campo de concentração experimentar-se a si mesma não só como mero 
objeto do arbítrio da guarda, mas também como objeto e joguete do destino. Eu 
sempre fora da opinião e costumava dizer que, apenas passados cinco ou dez anos, 
é que a pessoa saberia dizer para que foi útil determinado fato em sua vida. O 
campo de concentração me ensinou algo diferente. Muitas vezes já ficamos sabendo 
cinco ou dez minutos depois para que foi bom. Já em Auschwitz eu estabeleci um 
princípio para mim mesmo cuja validade se revelaria muito cedo e o qual, a seguir, 
foi também acolhido pela maioria dos meus companheiros. Quando me perguntavam 
alguma coisa, eu dava uma resposta verdadeira, de modo geral. Mas sobre aquilo 
que não era objeto de pergunta, eu me calava. Se alguém perguntava por minha 
profissão, eu lhe respondia "médico", mas não fazia menção de ser especialista, a 
não ser que, perguntassem por minha especialidade. Durante a primeira manhã em 
Auschwitz um oficial da SS se fez presente na hora de entrarmos em forma para a 
chamada. Os companheiros com menos de quarenta anos deviam postar-se de um 
lado, os acima de quarenta, de outro; metalúrgicos, mecânicos de automóvel, etc.,

por seu turno, deviam entrar numa formação à parte. Em seguida tivemos que baixar 
as calças para exame de hérnia, sendo que desta vez outros companheiros foram 
separados. Um grupo foi tocado para outro barracão, onde devia entrar em forma 
mais uma vez. Fui junto. Mais uma vez fomos selecionados, e eu, por exemplo, 
depois de ter respondido as perguntas "Profissão? Idade?" de forma rápida e 
enérgica, fui destacado para um pequeno grupo à parte. E também este grupo foi 
tocado para outro barracão, onde logo fomos mais uma vez reagrupados. E assim 
por diante, até que afinal já me sentia muito decepcionado ao me ver lançado entre 
pessoas estranhas, todas elas estrangeiras e falando línguas que eu não conhecia. 
Nisso foi feita uma última seleção, sendo eu tocado com os escolhidos para um 
último barracão. Eis que me vejo com meus velhos companheiros, entre meus 
conterrâneos e colegas, naquele barracão do qual saíra originalmente! E nem 
tinham percebido que entrementes eu fora tocado para lá e para cá. Eu, entretanto, 
imaginei de quantas sinas possíveis eu escapara no espaço de poucos minutos. . . 
 Ao se organizar o mencionado transporte de enfermos para um "campo de 
repouso", incluíram meu número na lista: estavam precisando de alguns médicos, 
mas ninguém acreditava que o transporte seguisse realmente para um campo de 
repouso. Afinal, ninguém mais era ingênuo. Aquele mesmo transporte já estivera 
previsto para algumas semanas antes, e já então ninguém acreditara que fosse para 
um campo de repouso, mas sim para a câmara de gás. Repentinamente foi dado um 
aviso: quem quisesse, poderia ser riscado da lista dos enfermos em repouso, caso 
se apresentasse voluntariamente para trabalhar no (muito temido) turno da noite. 
Oitenta e dois companheiros se acusaram sem pestanejar. Quinze minutos depois 
ouvia-se o anúncio: Transporte cancelado. Aqueles oitenta e dois, no entanto, não 
mais escaparam da lista para o turno da noite! Para a maioria deles o trabalho 
noturno significou a morte dentro dos próximos quatorze dias." 
O último desejo - decorado 
 Desta feita era composto pela segunda vez o transporte para o campo de repouso. 
Agora ninguém mais sabia se era ou não uma finta para extrair dos enfermos o 
último resto de força para trabalhar, mesmo que só por quatorze dias. Ou seriam as 
câmaras de gás o destino? Ou, quem sabe, de fato o campo de repouso? - O 
médico-chefe se dava bem comigo. Às quinze para as dez da noite ele me segredou: 
"Avisei no escritório que você ainda pode ser riscado da lista. Você pode fazê-lo até 
às dez horas da noite." Dou-lhe a entender que isto não é do meu feitio que aprendi 
a seguir o caminho reto ou - como se queira - deixar o destino ir em frente. "Vou ficar 
com meus companheiros doentes", é o que lhe digo. Percebo seu olhar penalizado, 
como se tivesse um pressentimento. . . Sem dizer uma palavra, ele me estende a 
mão, como se fosse uma despedida, não por toda a vida, e sim da minha vida. . . 
Saio. A passos lentos volto para o meu barracão. Um bom amigo está sentado no 
meu lugar. "Você vai mesmo?" "Sim, vou". Seus olhos se enchem de lágrimas. 
Procuro consolá-lo. Mas preciso fazer outra coisa: meu testamento oral... - "Cuide 
bem, Otto, se eu não voltar para casa, para minha mulher, e se você voltar a vê-la... 
diga a ela o seguinte, cuide bem: em primeiro lugar que falei sobre ela todos os dias 
e a cada instante - Você lembra? Segundo: jamais amei alguém tanto quanto a ela. 
Terceiro: ser casado com ela tão pouco tempo, esta felicidade compensou tudo, 
inclusive o que tivemos que passar aqui..." - Otto, onde estás agora? Vives ainda? 
Que aconteceu contigo desde aquele último momento em que estivemos juntos? 
Reencontraste tua esposa? Lembras-te ainda como te obriguei, apesar de teu choro 
infantil, a decorar meu testamento oral, palavra por palavra? 

Na manhã seguinte parti com o transporte. Desta vez não foi nenhuma finta nem 
truque. Este transporte também não seguiu para as câmaras de gás, mas realmente 
para um campo de repouso. E aqueles que tiveram tanta pena de mim, ficaram no 
campo de antes, onde então a fome grassou com muito mais violência que em 
nosso novo campo. Acharam estar se salvando, mas ficaram em maior desgraça. 
Meses depois, já após a libertação, encontrei novamente aquele companheiro do 
campo anterior, o qual, na qualidade de "policial", havia confiscado de uma panela o 
pedaço de carne que faltou naqueles dias num depósito de cadáveres daquele 
campo. . . É que ali irrompera o canibalismo, mas desse inferno eu havia escapado 
em tempo. 
 Isto me lembra de uma velha história da morte em Teerã. Estava um persa rico e 
poderoso passeando certa vez pelo parque de sua casa, em companhia de seu 
criado. Este se põe a lamentar que acabou de ver a morte ameaçando levá-lo. O 
criado implora a seu amo que lhe dê o cavalo mais rápido para se pôr imediatamente 
a caminho e fugir rumo a Teerã, onde ele queria chegar naquela mesma noite. O 
amo lhe dá o cavalo e o criado parte a galope. Caminhando de volta para casa, o 
próprio amo se depara com a morte e passa a interrogá-la: "Por que assustaste meu 
criado desta forma, por que o ameaçaste?" Responde-lhe a morte: "Ora, não o 
ameacei! Nem quis assustá-lo. Apenas me admirei, surpresa com o fato de vê-lo 
aqui, pois devo encontrá-lo em Teerã ainda hoje à noite!" 
Plano de fuga 
 O sentimento predominante de ser mero joguete, e o princípio de não assumir o 
papel do destino, mas de deixar ao destino o seu livre curso, tudo isso, e ainda a 
profunda apatia que se apodera da pessoa no campo de concentração, são fatores 
que explicam por que ela evita qualquer tipo de iniciativa e teme tomar decisões. A 
vida no campo de concentração apresenta situações que exigem decisões súbitas e 
imediatas, e que muitas vezes representam decisões sobre o ser ou não ser. O 
prisioneiro então prefere que o destino o livre da obrigação de decidir-se. 
 Esta fuga ante a decisão pode ser muita bem observada quando o prisioneiro 
precisa decidir se foge ou não. Naqueles minutos (e a cada vez somente podem ser 
poucos os minutos nos quais precisa tomar a decisão) ele passa por horrível tortura 
interior: Será que tento fugir, ou não? Devo assumir o risco, ou não? Eu mesmo 
também experimentei este purgatório de tensão interior ao surgir uma oportunidade 
de fuga poucos dias antes de aproximar-se a frente de combate. Um companheiro 
que precisava prestar serviços médicos em Banacses situados fora do campo era a 
favor da fuga. Ele insistia em fugir comigo. A pretexto de uma consulta conjunta para 
um não-prisioneiro, para a qual ele alegou necessitar-me urgentemente como 
especialista, demos um jeito de sair do campo. Lá fora um membro secreto de uma 
organização de resistência estrangeira nos forneceria uniformes e papéis falsos. No 
último momento, entretanto, surgiram dificuldades de ordem técnica, e tivemos que 
voltar para o campo. Aproveitamos a oportunidade para apanhar algumas batatas 
meio podres, como provisão para o caminho, e principalmente precisávamos arranjar 
uma mochila para cada um. Para este fim penetramos num barracão vazio do campo 
de mulheres, que acabara de ser evacuado, tendo elas sido levadas para outro 
campo. Um caos inimaginável se nos apresentou neste barracão. Estava tudo numa 
grande bagunça, e se podia ver claramente que muitas mulheres haviam fugido. 
Trapos e palha, restos estragados de comida e louça quebrada. Mas preferimos não 
levar nem mesmo tigelas em bom estado que via de regra, eram consideradas 
objetos de alto valor no campo de concentração. Sabíamos bem que ultimamente

quando passaram a reinar as piores condições possíveis no campo de 
concentração, essas tigelas de sopa costumavam ser usadas não só para a mesa, 
mas também como lavatórios e urinóis. (Era rigorosamente proibido ter no barracão 
qualquer vasilha para as necessidades fisiológicas; entretanto esta proibição foi 
simplesmente ignorada por todos aqueles que, durante a epidemia de tifo 
exantemático, estavam prostrados com febre alta e que nem com auxílio de outros 
podiam ser levados à noite para a latrina, dada a sua grande debilidade física.). 
Enquanto fico de guarda lá fora, meu colega penetra sorrateiramente no 
abandonado barracão de mulheres. Pouco depois ele sai, todo contente, mostrando 
disfarçadamente, porém com muito orgulho, a mochila que traz escondida debaixo 
da capa. Diz que ainda viu outra lá dentro e que devo buscá-la para mim. Ele fica de 
guarda, e eu entro no barracão. Ao vasculhar os montes de objetos desordenados, 
encontro, para minha grande alegria e surpresa, ainda antes de dar com a outra 
mochila, uma velha escova de dentes; nisto, vejo, em meio aos objetos 
evidentemente deixados para trás na precipitação da fuga, um cadáver de mulher. . 
 Volto apressado para o meu barracão a fim de apanhar todos os meus pertences: 
minha tigela de sopa, algumas luvas esfarrapadas que "herdei" de um paciente 
falecido naquele barracão de tifo exantemático, e algumas dezenas de papeizinhos 
nos quais eu passara a reconstruir com anotações estenográficas o meu manuscrito 
científico perdido em Auschwitz às pressas ainda faço uma visitação e percorro pela 
última vez a ala direita e depois a esquerda de pacientes deitados sobre tábuas 
podres, apertados um contra o outro, de ambos os lados do corredor e no meio do 
barracão. Chego ao único conterrâneo meu, que jaz ali às portas da morte. Salvá-lo, 
apesar do seu estado muito crítico, tinha sido para mim uma questão de honra. É 
claro que tenho que manter em segredo o meu plano de fuga. Mesmo assim o meu 
companheiro parece suspeitar de alguma coisa. É possível que eu estivesse um 
pouco nervoso. Em todo o caso, ele me pergunta com voz muito débil: "Você 
também vai cair fora?" Digo que não. Mas não consigo mais afastar-me dele, do seu 
olhar. Após a visitação, volto para ele. E mais uma vez se fixa em mim aquele olhar 
sem esperança - e de alguma forma o sinto como repreensão. Cada vez mais cresce 
aquele sentimento incômodo que se apoderou de mim a partir do momento em que 
concordei em fugir com meu colega - procedendo contra o meu velho princípio de 
não assumir o papel do destino. De repente saio do barracão rumo à enfermaria 
para avisar o meu colega que não posso ir. Nem bem lhe declarara que não podia 
mais contar comigo, mal tomara eu a decisão de continuar com os pacientes como 
antes, deixei de sentir, de um momento para o outro, aquela intranqüilidade! Fico 
sem saber o que virá nos dias seguintes; interiormente, porém, sereno como nunca, 
a passo firme, volto para o meu barracão de tifo exantemático, sento-me sobre as 
tábuas, aos pés do meu conterrâneo, procuro consola-lo e fico batendo papo com os 
outros companheiros, tranqüilizando-os. 
 Chegou então o último dia em nosso campo de concentração. Quase todos os 
internados haviam sido levados em transportes maciços para outros campos, visto 
que se aproximava a frente de combate. Os graúdos do campo, os Capos e os 
cozinheiros haviam fugido. Foi dado o aviso de que à noite o campo teria que ser 
completamente evacuado, incluindo os últimos prisioneiros que restavam - que 
eram, sem exceção, doentes e alguns poucos médicos e "enfermeiros". Constava 
ainda da comunicação que à noite o campo seria incendiado. Acontece, porém, que 
à tarde ainda haviam chegado os caminhões que deveriam buscar os doentes. 
Súbito, trancaram hermeticamente a saída do campo e passaram a vigiar 
rigorosamente a cerca de arame farpado, de modo que ninguém mais pudesse

cruzá-la em algum ponto já meio "preparado". Aparentemente queriam incendiar o 
campo com os prisioneiros restantes lá dentro. Pela segunda vez o meu colega e eu 
resolvemos fugir. 
 Existem três cadáveres para enterrar fora da cerca. Recebemos a incumbência de 
fazê-lo. É que, afora nós dois, não há mais ninguém naquele campo que tenha 
forças para isso. Quase todos jazem prostrados, com febre alta e delírio, nos poucos 
barracões ainda ocupados. Então tomamos a decisão: com o primeiro cadáver 
contrabandeamos a mochila do companheiro, dentro da velha tina usada como 
maca e caixão. Com o segundo cadáver, levamos minha mochila. Com o terceiro 
corpo, nós mesmos fugimos. Conseguimos executar bem o nosso plano até o 
segundo cadáver. Mas antes de levar o terceiro tenho de esperar. Meu colega 
avisou que tentaria arranjar algum pedaço de pão para comermos nos dias 
seguintes na floresta. Fico esperando. Passam-se os minutos, cresce minha 
impaciência – e ele continua não aparecendo. Logo agora, quando eu já estava 
antegozando a liberdade, pela primeira vez, depois de três anos, iríamos ao 
encontro da frente de batalha... Somente mais tarde saberíamos que risco enorme 
teria sido este encontro. Aí, no instante em que meu colega finalmente aparece 
correndo, abre-se o portão de entrada do campo, e lentamente avança um magnífico 
automóvel cor de alumínio, ostentando grandes cruzes vermelhas, indo em direção 
da área de formatura dos prisioneiros. Chega o Delegado da Cruz Vermelha 
Internacional de Genebra para tomar sob sua proteção o campo e os seus últimos 
reclusos. Quem ainda pensaria em fugir? Do interior do carro saem caixas de 
remédios, cigarros são distribuídos, somos fotografados e a alegria é geral. Agora já 
não precisamos tentar atravessar as frentes de combate. 
 O delegado se hospeda na casa de um agricultor, próximo ao campo, pois quer 
estar disponível à noite, para qualquer caso. Naquele primeiro arroubo de alegria 
tínhamos esquecido completamente o terceiro cadáver. Agora o levamos para fora e 
o deixamos rolar para dentro da estreita sepultura que lhe cavamos. O guarda que 
nos acompanha e supervisiona, de uma hora para outra, é a amabilidade em 
pessoa. Ele começa a perceber que as coisas agora podem tomar outro rumo e 
procura contato conosco. Em todo o caso ele toma parte na breve oração que 
pronunciamos antes de fazer cair a terra sobre o cadáver. Após aquela nossa tensão 
interior e o nervosismo dos últimos dias e horas, nessa reta final em nossa corrida 
com a morte, as palavras com que suplicamos paz na nossa oração devem ter sido 
das mais ardentes que um ser humano jamais pronunciou. 
 Assim passa este dia, o último em nosso campo, na vivência de uma liberdade 
interiormente antecipada. Porém a nossa expectativa falhou num ponto. Apesar de o 
representante da Cruz Vermelha afirmar, com base numa convenção, que o campo 
não poderia mais ser evacuado, e a despeito da sua presença no lugarejo próximo, 
à noite chegam caminhões com integrantes da SS dando a ordem de desocupar o 
campo imediatamente. Dão-nos a entender que os últimos prisioneiros restantes 
devem ser transportados para um campo central, de onde, dentro de 48 horas, 
seriam levados para a Suíça e trocados por prisioneiros de guerra. 
 O pessoal da SS está irreconhecível, tal a amabilidade com que insistem para que 
subamos sem medo nos caminhões e nos alegremos com a chance que nos seria 
dada. Quem ainda tem forças já corre para os caminhões. Com muito sacrifício os 
gravemente enfermos e totalmente enfraquecidos são erguidos para a plataforma da 
viatura. Meu colega e eu já não escondemos nossas mochilas e nos colocamos de 
pé, prontos a ser incluídos entre treze pessoas a serem levadas pelo último 
caminhão. O médico-chefe é que faz a distribuição. Estamos ali de pé, e somos quinze pessoas. Ao contar os treze que irão, ele nos deixa fora. Os treze são postos 
no caminho, enquanto nós dois que ficamos para trás, surpresos, decepcionados e 
indignados ao partir a penúltima leva, nos queixamos ao médico chefe. Ele se 
desculpa alegando estar exausto e distraído; por engano ele teria achado que ainda 
pensávamos em fugir. Tomados de impaciência, sentamo-nos novamente, mas de 
mochila às costas, e com os prisioneiros restantes ficamos esperando o último 
caminhão. A espera é muito longa. Deitamo-nos sobre os catres desocupados da 
enfermaria, completamente desgastados que estamos pela "guerra de nervos" das 
últimas horas e dias, pelas esperanças despertadas a se alterar sucessivamente 
com desilusão, pelo vaivém entre alegria imensa e tristeza mortal. Estamos "prontos" 
para a viagem adormecemos sem trocar de roupa nem tirar os sapatos. Acordamos 
com o barulho de tiros de canhão e fuzil, o clarão de foguetes sinalizadores, o sibilo 
de balas atravessando até as paredes do barracão. O médico-chefe entra correndo 
e nos manda buscar cobertura no chão. Do beliche acima de mim o companheiro 
pula com os sapatos em cima da minha barriga. Agora, sim, estou bem acordado. 
Logo sabemos o que está havendo: chegou a frente de combate! O tiroteio vai 
diminuindo até parar por completo. A noite cede ao crepúsculo. Lá fora o mastro no 
portão principal do campo ostenta uma bandeira branca. Apenas semanas mais 
tarde é que nós, o reduzido e último grupo daquele campo, ficamos sabendo que até 
mesmo naquelas horas derradeiras o "destino" nos fizera mais uma vez de joguete; 
experimentamos a ambigüidade de toda decisão, ainda mais quando justamente 
vida ou morte estão em jogo. Quanto àqueles que naquela última noite julgaram que 
os caminhões os levariam rumo à liberdade, tivemos que pensar mais uma vez 
naquele conto que fala da morte em Teerã. Semanas mais tarde tive diante de mim 
fotografias tiradas num pequeno campo não muito distante do nosso, para onde 
haviam levado os meus pacientes; trancaram-nos em barracões, que foram 
incendiados. As fotografias mostravam os cadáveres semi-carbonizados.

Irritabilidade 
 Até aqui descrevemos a apatia, a dessensibilização do íntimo, que toma conta do 
prisioneiro durante a sua estada no campo de concentração, fazendo a sua vida 
anímica baixar, de modo geral, a um nível mais primitivo, tornando objeto do destino 
ou do arbítrio dos guardas, destituído de vontade, tanto que ele acaba cheio de 
medo de tomar nas mãos o seu destino, ou seja, de enfrentar decisões. A apatia tem 
ainda outras causas e não pode ser entendida apenas como mecanismo de 
autodefesa da alma, no sentido mencionado. Há também causas de natureza 
fisiológica. É o que vale também para a irritabilidade, a qual, além da apatia, 
representa uma das mais eminentes características da psique do prisioneiro. Entre 
as causas fisiológicas estão em primeiro lugar a fome e a falta de sono. Como 
qualquer um sabe, mesmo na vida normal ambos os fatores tornam a pessoa 
apática e irritadiça. No campo de concentração, o sono insuficiente se deve em parte 
aos insetos parasitas a proliferar livremente na mais inconcebível falta de higiene, e 
à inimaginável concentração de pessoas nos barracões. 
 Existe ainda outro fator a contribuir para a apatia e a irritabilidade, que é a ausência 
daqueles tóxicos da civilização que normalmente servem para atenuá-las, isto é, a 
nicotina e a cafeína. Aumenta, assim, a propensão para a apatia e a irritabilidade. 
Além das causas fisiológicas existem ainda origens anímicas deste peculiar estado 
de espírito dos prisioneiros. Trata-se de certos "complexos". É compreensível que a 
maioria dos prisioneiros seja atormentada por uma espécie de sentimento de 
inferioridade. Antes, cada um de nós havia sido "alguém", ou ao menos julgava sê-lo. Agora, no entanto, é tratado literalmente como se fosse um ninguém. (Não há 
dúvida de que o amor-próprio, quando ancorado em áreas mais profundas, 
espirituais, não pode ser abalado pela situação do campo de concentração; mas 
quantas pessoas, quantos prisioneiros possuirão um sentimento de auto-estima tão 
bem firmado?) Mesmo sem refletir muito sobre isso, sem que se conscientize disso, 
é natural que o prisioneiro mediano se sinta totalmente rebaixado. Esta experiência 
somente se fazia sentir diante do contraste evidenciado na peculiar estrutura 
sociológica do campo de concentração. Refiro-me àquela minoria de prisioneiros que 
passavam, a bem dizer, por gente importante, os Capos e cozinheiros, os chefes de 
depósito e os "policiais" do campo. Em todos eles havia uma compensação do 
sentimento primitivo de inferioridade. É que estes não se sentiam rebaixados de 
maneira alguma, como "a maioria" dos prisioneiros comuns, mas sentiam-se como 
se sente um arrivista. Alguns se sentiam até como um César em miniatura. A reação 
anímica da maioria, ressentida e invejosa, ao comportamento daquela minoria, se 
manifestava de diversas formas, às vezes também em piadas maldosas. Assim, por 
exemplo, um prisioneiro diz a outro, referindo-se a um terceiro, que é um desses 
"arrivistas". "Esse aí eu conheci quando era apenas presidente do maior banco de... 
Agora ele se promoveu a Capo. 
 Sempre que essa maioria dos rebaixados e a minoria dos arrivistas entravam em 
conflito, explodia a irritação, que logo chegava ao auge. Para esses encontros 
conflitivos havia oportunidades mais que suficientes na vida do campo de 
concentração, a começar pela distribuição de comida. Aquela irritabilidade, de cujas 
origens fisiológicas diversas falamos acima, acaba por se potenciar com o acréscimo 
das causas anímicas, a complexa carga de sentimentos de todos os envolvidos. Já 
não causa surpresa que o acúmulo assim originado acabe em pancadaria entre os 
prisioneiros. Aquele reflexo que, da emoção raivosa vai extravasar-se no golpe 
físico, já está basicamente pré-condicionado pelos freqüentes espancamentos que o 
recluso testemunha a cada instante. Eu mesmo passei repetidas vezes pela 
experiência de sentir a mão "solta", prestes a perder o controle quando, faminto e 
tresnoitado, era acometido de raiva súbita. Entre outras razões, eu estava 
tresnoitado porque, durante determinado período, pudemos fazer fogo para aquecer 
o nosso barracão de chão batido que servia de galpão de tifo, e precisávamos cuidar 
que não apagasse o fogo no fogão. Aqueles entre nós que ainda estavam em 
condições relativamente boas eram obrigados a participar de um serviço noturno 
destinado a atender ao fogão. Apesar de tudo, foram horas das mais idílicas as que 
vivi quando, em plena noite, enquanto os outros dormiam ou deliravam de febre eu 
me estirava no chão batido frente ao pequeno fogão do barracão, cuidando do fogo 
naquelas horas do meu turno, assando umas batatas furtadas nas brasas do carvão 
igualmente furtado. . . Porém, tanto mais tresnoitado, apático e irritadiço a gente se 
sentia no outro dia. Na época, eu trabalhava como médico, tratando tifo pouco antes 
da nossa libertação, e tinha que substituir ainda o chefe de bloco, que estava 
doente. Consequentemente eu era responsável, perante a administração, do campo, 
pela higiene no barracão - na medida em que se podia manter qualquer higiene 
dentro daquelas circunstâncias. A pretensa inspeção periódica do barracão tinha por 
objetivo não verificar as condições higiênicas, mas sim torturar-nos. Mais alimento 
ou um pouco de medicamento teriam dado efeito - mas o que lhes importava era, 
apenas, que não houvesse uma palhinha no corredor, e que os esfarrapados, 
encardidos e empiolhados cobertores dos enfermos apresentassem um alinhamento 
perfeito ao pé da cama. Uma vez anunciada a inspeção, eu tinha de cuidar que o 
chefe ou subchefe do campo de concentração, ao enfiar a cabeça pela porta do nosso barracão para dar uma espiada em seu interior, não percebesse sequer uma 
palha, nem resto de cinza na frente do fogão, etc. A inspeção não se importava com 
a sorte das pessoas que habitavam aquele buraco. Importante era que eu tirasse da 
cabeça raspada o barrete de prisioneiro, batesse os calcanhares e anunciasse em 
tom marcial: "Barracão de enfermaria VI/9, cinqüenta e dois doentes de tifo 
exantemático, dois enfermeiros, um médico." E já iam embora os inspetores. Mas 
até que eles viessem (e costumavam vir muitas horas depois de anunciado, ou 
simplesmente não vinham), eu me via forçado a ficar constantemente arrumando 
cobertores, catando palhas que caíam das tarimbas e, para completar, ralhar com os 
pobres diabos que quisessem comprometer no último momento toda aquela ordem e 
limpeza aparentes. Pois a apatia e insensibilidade, ainda mais acentuadas nos 
acometidos de febre, os faz reagir apenas quando se grita com eles. Mas até isso 
muitas vezes não adianta, e então o negócio mesmo é controlar-se com o maior 
esforço para não "sentar a mão". Pois a própria irritabilidade aumenta 
desmedidamente face à apatia dos outros, e mais ainda diante do perigo em que ela 
coloca a gente, quando de uma inspeção iminente. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário