sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Divaldo Franco Crianças Índigo e cristais (completo)

REVISTA ESPÍRITA 1859


REVISTA ESPÍRITA 1859
Instruções dos Espíritos

OS MESSIAS DO ESPIRITISMO

1. – Já vos foi dito que um dia todas as religiões se confundirão numa mesma crença. Ora, eis como isto acontecerá. Deus dará um corpo a alguns Espíritos superiores, e eles pregarão o Evangelho puro. Um novo Cristo virá; porá fim a todos os abusos que duram há tanto tempo e reunirá os homens sob uma mesma bandeira.

Nasceu o novo Messias, e ele restabelecerá o Evangelho de Jesus-Cristo. Glória ao seu poder.

Não é permitido revelar o lugar onde ele nasceu; e se alguém vier vos dizer: “Ele está em tal lugar”, não acrediteis, porque ninguém o saberá antes que ele seja capaz de se revelar, e daqui até lá é preciso que grandes coisas se realizem, para aplainar os caminhos.

Se Deus vos deixar viver bastante, vereis pregar o verdadeiro Evangelho de Jesus-Cristo pelo novo Missionário de Deus, e uma grande mudança será feita pelas pregações desse Filho abençoado; à sua palavra poderosa, os homens das diferentes crenças se darão as mãos.

Glória a esse divino enviado, que vai restabelecer as leis mal compreendidas e mal praticadas do Cristo! Glória ao Espiritismo, que o precede e que vem esclarecer todas as coisas! Crede, meus irmãos, que somente vós recebereis semelhantes comunicações. Mas guardai-as em segredo até nova ordem.

São José – Sétif (Argélia) 1861


Observação – Esta revelação é uma das primeiras deste gênero que nos foram transmitidas; mas outras já a tinham precedido. Depois, foi dado espontaneamente um grande número de comunicações sobre o mesmo assunto, em diferentes centros espíritas da França e do estrangeiro, todas concordes no fundo do pensamento. E como em toda parte compreenderam a necessidade de não as divulgar, e como nenhuma foi publicada, não poderiam ser o reflexo umas das outras. É um dos mais notáveis exemplos da simultaneidade e da concordância do ensino dos Espíritos quando é chegado o momento de uma questão.6



2. – Está incontestavelmente constatado que a vossa é uma época de transição e de fermentação geral; mas ainda não chegou àquele grau de maturidade que marca a vida das nações. É ao século vinte que está reservado o remanejamento da Humanidade; todas as coisas que vão realizar-se daqui até lá não passam de preliminares da grande renovação. O homem chamado a consumá-la ainda não está maduro para realizar sua missão; mas já nasceu: sua estrela apareceu na França marcada por uma auréola, e vos foi mostrada há pouco tempo na África. Sua rota está previamente marcada. A corrupção dos costumes, as desgraças que serão a conseqüência do desencadeamento das paixões, o declínio da fé religiosa serão os sinais precursores de seu advento. 

A corrupção no seio das religiões é o sintoma de sua decadência, como é o da decadência dos povos e dos regimes políticos, porque ela é o indício de uma falta de fé verdadeira; os homens corrompidos arrastam a Humanidade para um despenhadeiro funesto, de onde ela não pode sair senão por uma crise violenta. Dá-se o mesmo com as religiões que substituem o culto da Divindade pelo culto do dinheiro e das honras, e que se mostram mais ávidas dos bens materiais da Terra do que dos bens espirituais do Céu.

Fénelon – Constantina, dezembro de 1861


(6) Nota - As comunicações deste gênero são inumeráveis. Aqui só nos  referimos a algumas, e se as publicamos hoje é que é chegado o momento de levar o fato ao conhecimento de todos, e porque é útil para os espíritas saber em que sentido se pronuncia a maioria dos Espíritos.



3. – Quando uma transformação da Humanidade deve operar-se, Deus envia em missão um Espírito capaz, por seus pensamentos e por uma inteligência superior, de dominar seus contemporâneos e de imprimir às gerações futuras as idéias necessárias para uma revolução moral civilizadora. 

Assim, de tempos em tempos vê-se elevar-se acima do comum dos mortais seres que, como faróis, os guiam na via do progresso e os fazem transpor em alguns anos as etapas de vários séculos. O papel de alguns é limitado a um país ou a uma raça; são como oficiais subalternos, cada um conduzindo uma divisão do exército; mas há outros cuja missão é agir sobre a Humanidade inteira, que não aparecem senão nas épocas mais raras, que marcam a era das transformações gerais. 

Jesus-Cristo foi um desses enviados excepcionais; do mesmo modo tereis, para os tempos chegados, um Espírito superior que dirigirá o movimento de conjunto e dará uma coesão poderosa às forças esparsas do Espiritismo.

Deus sabe na hora certa modificar nossas leis e nossos hábitos; e quando um fato novo se apresentar, esperai e orai, porque o Eterno nada faz que não seja segundo as leis de divina justiça, que regem o Universo.

Para vós que tendes fé, e que consagrastes a vossa vida à propaganda da idéia regeneradora, isto deve ser simples e justo; mas só Deus conhece aquele que está prometido. Limito-me a dizer-vos: Esperai e orai, porque o tempo é chegado e o novo Messias não vos faltará: Deus saberá designá-lo a seu tempo. E, aliás, é por suas obras que ele se afirmará. 

Podeis esperar por muitas coisas, vós que vedes tantas estranhas em relação às idéias admitidas pela civilização moderna. 

Baluze – Paris, 1862

4. – Eis uma questão que se repete em toda parte: o Messias anunciado é a pessoa mesma do Cristo?

Ao lado de Deus estão numerosos Espíritos chegados ao topo da escala dos Espíritos puros, que mereceram ser iniciados em seus desígnios, para dirigirem a sua execução. Deus escolheu dentre eles seus enviados superiores, encarregados de missões especiais. Podeis chamá-los  Cristos: é a mesma escola; são as mesmas idéias modificadas conforme os tempos.

Não fiqueis, pois, admirados de todas as comunicações que vos anunciam a vinda de um Espírito poderoso sob o nome do Cristo; é o pensamento de Deus revelado numa certa época, e que é transmitido pelo grupo dos Espíritos superiores que se acercam de Deus e recebe as suas emanações para presidir o futuro dos mundos que gravitam no espaço.

O que morreu na cruz tinha uma missão a cumprir, e essa missão se renova hoje por outros Espíritos desse grupo divino, que vêm, eu vo-lo repito, presidir aos destinos de vosso mundo.

Se o Messias de que falam essas comunicações não é a personalidade de Jesus, é o mesmo pensamento. É aquele que Jesus anunciou, quando disse: “Eu vos enviarei o Espírito de Verdade, que deve restabelecer todas as coisas”, isto é, reconduzir os homens à sã interpretação de seus ensinamentos, porque ele previa que os homens se desviariam do caminho que lhes havia traçado. 

Aliás, era preciso completar o que então não lhes havia dito, porque não teria sido compreendido. Eis por que uma multidão de Espíritos de todas as ordens, sob a direção do Espírito de Verdade, veio a todas as partes do mundo e a todos os povos, revelar as leis do mundo espiritual, cujo ensino Jesus havia adiado, e lançar, pelo Espiritismo, os fundamentos da nova ordem social. 

Quando todas as bases estiverem postas, então virá o Messias, que deve coroar o edifício e presidir à reorganização, auxiliado pelos elementos que tiverem sido preparados.

Mas não creiais que esse Messias esteja só; haverá muitos que abraçarão, pela posição que cada um ocupará no mundo, as grandes partes da ordem social: a política, a religião, a
legislação, a fim de as fazer concordar com o mesmo objetivo.

Além dos Messias principais, Espíritos de escol surgirão em todas as partes e que, como lugar-tenentes animados da mesma fé e do mesmo desejo, agirão de comum acordo, sob o impulso do pensamento superior.

É assim que, pouco a pouco, se estabelecerá a harmonia do conjunto; mas é preciso, primeiramente, que se realizem certos acontecimentos.

Lacordaire – Paris, 1862




OS ESPÍRITOS MARCADOS

5. – Há muitos Espíritos superiores que concorrerão poderosamente para a obra regeneradora, mas nem todos são Messias. É preciso distinguir:

1. Os Espíritos superiores, que agem livremente e por sua própria vontade; 

2. Os Espíritos  marcados, isto é, designados para uma missão importante. Têm a irradiação luminosa, que é o sinal característico de sua superioridade. São escolhidos entre os Espíritos capazes de as cumprir; entretanto, como têm livre-arbítrio, podem falir por falta de coragem, de perse verança ou de fé e não estão livres dos acidentes que podem abreviar os seus dias. Mas como os desígnios de Deus não estão à mercê de um homem, o que um não faz, o outro é chamado a fazer. Eis por que há muitos chamados e poucos escolhidos. Feliz aquele que realiza sua missão segundo as vistas de Deus e sem desfalecimento! 

3. Os  Messias, seres superiores, chegados ao mais alto grau da hierarquia celeste, depois de terem atingido uma perfeição que os torna infalíveis daí por diante, e acima das fraquezas humanas, mesmo na encarnação. Admitidos nos conselhos do Altíssimo, recebem diretamente sua palavra, que são encarregados de transmitir e fazer cumprir. Verdadeiros representantes da Divindade, da qual têm o pensamento, é entre eles que Deus escolhe seus enviados especiais, ou seus  Messias, para as grandes missões gerais, cujos detalhes de execução são confiados a outros Espíritos encarnados ou desencarnados, agindo por suas ordens e
sob sua inspiração.

Espíritos dessas três categorias devem concorrer ao grande movimento regenerador que se opera.

Êxtase sonambúlico – Paris, 1866

6. – Venho, meus amigos, confirmar a esperança dos altos destinos que esperam o Espiritismo. Esse glorioso futuro que vos anunciamos será realizado pela vinda de um Espírito superior, que resumirá, na essência de sua perfeição, todas as doutrinas antigas e novas, e que, pela autoridade de sua palavra, ligará os homens às crenças novas. Semelhante ao Sol nascente, dissipará todas as obscuridades amontoadas sobre a eterna verdade, pelo fanatismo e pela inobservância dos preceitos do Cristo.

Estrela da nova crença, o futuro Messias cresce na sombra; mas já os seus inimigos tremem e as virtudes dos céus estão abaladas.

Perguntais se esse novo Messias é a pessoa mesma de Jesus de Nazaré? Que vos importa, se é o mesmo pensamento que os anima a ambos? São as imperfeições que dividem os Espíritos; mas quando as perfeições são iguais, nada os distingue; formam unidades coletivas, sem perderem a sua individualidade.

O começo de todas as coisas é obscuro e vulgar; o que é pequeno cresce; nossas manifestações, a princípio acolhidas com o desdém, a violência ou a indiferença banal da curiosidade ociosa, espalharão ondas de luz sobre os cegos e os regenerarão. 

Todos os grandes acontecimentos têm seus profetas, ora incensados, ora desprezados. Assim como Moisés conduzia os hebreus, nós vos conduziremos para a terra prometida da inteligência.

Similitude impressionante! os mesmos fenômenos se repetem, não mais no sentido material, destinado a ferir os homens infantis, mas na sua acepção espiritual. As crianças se tornaram adultos; crescendo o objetivo, os exemplos não mais se dirigem aos olhos; a vara de Aarão está partida, e a única transformação que operamos é a de vossos corações, tornados atentos ao grito de amor que, do Céu, repercute na Terra. 

Espíritas! compreendei a gravidade de vossa missão; estremecei de alegria, porque não está longe a hora em que o divino enviado alegrará o mundo. Espíritas laboriosos, sede benditos em vossos esforços e perdoados em vossos erros. A ignorância e a perturbação ainda vos ocultam uma parte da verdade que só o celeste Mensageiro vos pode revelar inteiramente. 

São Luís – Paris, 1862.





7. – A vinda do Cristo trouxe à vossa Terra sentimentos que, por um instante, a submeteram à vontade de Deus; mas os homens, enceguecidos por suas paixões, não puderam guardar no coração o amor do próximo, o amor do Mestre do céu. O enviado do Todo-Poderoso abriu à Humanidade a estrada que conduz à mansão dos bem-aventurados; mas a Humanidade recuou um passo imenso que o Cristo a tinha feito dar; caiu no ramerrão do egoísmo, e o orgulho a fez esquecer o seu Criador.

Deus permite que ainda uma vez sua palavra seja pregada na Terra, e tereis que o glorificar porque fostes dos
primeiros a quem ele se dignou chamar a crer no que mais tarde será ensinado. Rejubilai-vos, porque estão próximos os tempos em que essa palavra se fará ouvir. Melhorai-vos, aproveitando os ensinamentos que ele permite que vos demos. 

Que a árvore da fé, que neste momento finca raízes tão vigorosas, produza os seus frutos; que esses frutos amadureçam, como amadurecerá a fé que hoje anima alguns entre vós.

Sim, meus filhos, o povo se comprimirá sobre os passos do novo mensageiro anunciado pelo próprio Cristo, e todos virão escutar essa divina palavra, porque nela reconhecerão a linguagem da verdade e o caminho da salvação. Deus, que permitiu que vos esclarecêssemos, que sustentássemos vossa marcha até hoje,
permitirá ainda que vos demos as instruções que vos são necessárias. 

Mas também vós, os primeiros favorecidos pela crença, tendes vossa missão a cumprir; tereis de trazer aqueles do vosso meio que ainda duvidam das manifestações que Deus permite; tereis de fazer luzir aos seus olhos os benefícios daquilo que tanto vos consolou; porque nos vossos dias de tristeza e de abatimento a vossa crença não vos sustentou? não fez nascer em vosso coração esta esperança que, sem ela, teríeis ficado no desalento? 
Eis o que é preciso fazer partilhar os que ainda não crêem, não por uma precipitação intempestiva, mas com prudência e sem chocar de frente os preconceitos longamente arraigados. 

Não se arranca uma velha árvore de um golpe só, como se fora um pé de erva, mas pouco a pouco.

Semeai desde agora o que mais tarde quereis colher; semeai o grão que virá frutificar no terreno que tiverdes preparado e cujos frutos vós mesmos colhereis, porque Deus vos levará em conta o que tiverdes feito por vossos irmãos. 

Lamennais – Havre, 1862

FUTURO DO ESPIRITISMO

8. – Depois de suas primeiras etapas, o Espiritismo, aguerrido, desembaraçando-se cada vez mais das obscuridades que lhe serviram de fraldas, em breve fará sua aparição na grande cena do mundo.

Os acontecimentos marcham com tal rapidez que nãose pode ignorar a poderosa intervenção dos Espíritos que presidem aos destinos da Terra. Há como que um estremecimento íntimo nos flancos do vosso globo, em trabalho de gestação; novas raças saídas das altas esferas vêm rodopiar em torno de vós, esperando a hora de sua encarnação messiânica, e para isto se preparando pelo estudo das vastas questões que hoje agitam a Terra.

De todos os lados vêem-se sinais de decrepitude nos usos e legislações, que não mais estão de acordo com as idéias modernas. As velhas crenças adormecidas há séculos parecem despertar de seu torpor secular e se admiram de se verem em luta com novas crenças, emanadas dos filósofos e dos pensadores deste e do século passado. O sistema degenerado de um mundo que não passava de um simulacro, se esboroa ante a aurora do mundo real,
do mundo novo. A lei de solidariedade, da família passou aos habitantes dos Estados, para em seguida conquistar a Terra inteira; mas esta lei tão sábia, tão progressiva, essa lei divina, numa palavra, não se limitou a esse resultado único; infiltrando-se no coração dos grandes homens, ensinou-lhes não só que ela era necessária ao grande melhoramento da vossa habitação, mas que se estendia a todos os mundos do vosso sistema solar, para de lá se estender

a todos os mundos da imensidade! É bela essa lei de solidariedade universal, porque nela se encontra essa máxima sublime: Todos por um e um por todos. 

Eis, meus filhos, a verdadeira lei do Espiritismo, a verdadeira conquista de um futuro próximo. Marchai, pois,
imperturbavelmente em vossa estrada, sem vos preocupar com as zombarias de uns e o amor-próprio ferido de outros. Estamos e ficaremos convosco, sob a égide do Espírito de Verdade, meu e vosso mestre.

Erasto – Paris, 1863



9. – Cada dia o Espiritismo estende o círculo de seu ensino moralizador. Sua grande voz ecoou de um extremo a outro da Terra. A sociedade se comoveu com ela e de seu seio partiram adeptos e adversários.

Adeptos fervorosos, adversários hábeis, mas cuja habilidade e renome serviram à própria causa que queriam
combater, chamando para a doutrina nova a atenção das massas e lhes dando o desejo de conhecer os ensinos regeneradores, que seus adeptos preconizam, e que os faziam escarnecer e ridicularizar. 

Contemplai o trabalho realizado e rejubilai-vos com o resultado! Mas que efervescência indizível não se produzirá entre os povos, quando seus mais amados escritores vierem juntar-se aos nomes mais obscuros ou menos conhecidos dos que se aglomeram em torno da bandeira da verdade! 

Vede o que produziram os trabalhos de alguns grupos isolados, na maioria entravados pela intriga e pela malquerença, e julgai da revolução que se operará quando todos os membros da grande família espírita se derem as mãos e declararem, de fronte altiva e coração firme, a sinceridade de sua fé e de sua crença na realidade do ensinamento dos Espíritos. 

As massas amam o progresso, buscam-no, mas não o temem. O desconhecido inspira um secreto terror aos filhos
ignorantes de uma sociedade embalada em preconceitos, que ensaia os primeiros passos na via da realidade e do progresso moral. As grandes palavras de liberdade, de progresso, de amor, de caridade ferem o povo sem o comover; muitas vezes ele prefere seu estado presente e medíocre a um futuro melhor, mas desconhecido.

A razão desse pavor do futuro está na ignorância do sentimento moral num grande número, e do sentimento inteligente em outros. Mas, como disseram vários filósofos, divagando sobre uma concepção falsa da origem das coisas, inclusive eu –  por que coraria de o dizer? não poderia enganar-me? – não é verdade que a Humanidade seja má por essência. Não; aperfeiçoando a sua inteligência ela não dará um impulso maior às suas más qualidades. Afastai de vós esses pensamentos desesperadores, que repousam num falso conhecimento do
espírito humano.

A Humanidade não é má por natureza; mas é ignorante e, por isso mesmo, mais apta a se deixar governar por suas paixões. É progressiva e deve progredir para atingir os seus destinos; esclarecei-a; mostrai seus inimigos ocultos na sombra; desenvolvei sua essência moral, nela inata, e apenas adormecida sob a influência dos maus instintos e reanimareis a centelha da eterna verdade, da eterna presciência do infinito, do belo e do bom, que reside para
sempre no coração do homem, mesmo o mais perverso.

Filhos de uma doutrina nova, reuni vossas forças; que o sopro divino e o socorro dos Espíritos bons vos sustentem, e fareis grandes coisas. Tereis a glória de haver posto as bases dos princípios imperecíveis, cujos frutos vossos descendentes recolherão. 

Montaigne – Paris, 1865

AS ESTRELAS CAIRÃO DO CÉU

10. – Oh! como é bela a luz do Senhor! que brilho prodigioso espalham seus raios! Santa Sião! bem-aventurados os que estão sentados à sombra de teus tabernáculos! Oh! que harmonia é comparável às esferas do Senhor? Beleza incompreensível para olhos mortais, incapazes de perceber tudo quando não depende do domínio dos sentidos! 

Aurora esplêndida de um dia novo, o Espiritismo vem iluminar os homens. Os clarões mais fortes já aparecem no horizonte; os Espíritos das trevas, vendo que seu império vai desmoronar, são vítimas de raivas impotentes e já põem sua última energia em complôs infernais; o anjo radioso do progresso já estende suas brancas asas coloridas; as virtudes dos céus já se abalam e as estrelas caem de sua abóbada, mas transformadas em
Espíritos puros, que vêm, como anuncia a Escritura em linguagem figurada, proclamar sobre as ruínas do velho mundo o advento do Filho do Homem.

Bem-aventurados aqueles cujos corações estão preparados para receber a semente divina, que os Espíritos do Senhor lançam a todos os ventos do céu! Bem-aventurados os que cultivam, no santuário da alma, as virtudes que o Cristo lhes veio ensinar, e que ainda lhes ensina pela voz dos médiuns, isto é, dos instrumentos que repetem as palavras dos Espíritos! Bem-aventurados os justos, porque o reino dos céus lhes pertencerá! 

Ó, meus amigos! continuai a marchar no caminho que vos é traçado; não vos constituais em obstáculos à verdade que quer esclarecer o mundo. Não; sede propagadores zelosos e infatigáveis como os primeiros apóstolos, que não tinham teto para abrigar suas cabeças, mas que marchavam para a conquista que Jesus havia começado; que marchavam sem idéia preconcebida, sem hesitação; que tudo sacrificavam, até a última gota de seu sangue, a fim de que o Cristianismo fosse implantado. 

Vós, meus amigos, não necessitais de sacrifícios tão grandes. Não; Deus não vos pede vossa vida, mas o vosso coração, vossa boa vontade. Sede, pois, zelosos e marchai unidos e confiantes, repetindo a palavra divina: “Meu Pai, que seja feita a vossa vontade, e não a minha!”

Dupuch – Bispo de Argel – Bordeaux, 1863




OS MORTOS SAIRÃO DE SEUS TÚMULOS

11. – Povos, escutai!... Uma voz se faz ouvir de um extremo a outro dos mundos: é a do precursor anunciando a vinda do Espírito de Verdade, que vem endireitar os caminhos tortuosos por onde o espírito humano se desgarrava em falsos sofismas. É a trombeta do anjo vindo despertar os mortos para que saiam de seus túmulos.

Muitas vezes tendes lido a revelação de João e vos perguntastes: Mas, que quer ele dizer? Como se cumprirão essas coisas surpreendentes? E, confusa, vossa razão mergulhava num tenebroso labirinto, de onde não podia sair, porque queríeis tomar ao pé da letra o que estava escrito em sentido figurado. 

Agora que chegou o tempo em que uma parte dessas predições vai cumprir-se, pouco a pouco aprendereis a ler nesse livro onde o discípulo bem-amado consignou as coisas que lhe tinha sido dado ver. Entretanto, as más traduções e as falsas interpretações ainda vos aborrecerão um pouco, mas com um trabalho perseverante chegareis a compreender o que, até o presente, tinha sido para vós uma carta fechada.

Apenas compreendei que, se Deus permite que os selos sejam levantados mais cedo para alguns, não é para que esse conhecimento fique estéril em suas mãos, mas para que, pioneiros infatigáveis, desbravem as terras incultas; é para que fecundem com o doce orvalho da caridade os corações ressequidos pelo orgulho e impedidos pelos embaraços mundanos, onde a boa semente da palavra de vida não pôde ainda germinar.

 Ah! quantos encaram a vida humana como devendo ser uma festa perpétua, em que as distrações e os prazeres se sucedem sem interrupção! Inventam mil nadas para encantar os seus lazeres; cultivam seu espírito, porque é uma das facetas brilhantes que servem para fazer ressaltar sua personalidade; são semelhantes a essas bolhas fêmeras, refletindo as cores do prisma e se balançando no espaço: atraem os olhares por algum tempo, depois as procurais... e elas desapareceram sem deixar traços. Do mesmo modo, essas almas mundanas brilharam com uma luz que não lhes era própria, durante sua curta passagem terrena, e dela nada restou de útil, nem para os seus semelhantes, nem para elas mesmas. 

Vós que conheceis o valor do tempo, vós a quem as leis da eterna sabedoria são reveladas pouco a pouco, sede nas mãos do Todo-Poderoso, instrumentos dóceis servindo para levar a luz e a fecundidade a essas almas, das quais é dito: “Têm olhos e não vêem, ouvidos e não escutam”, porque se tendo desviado do facho da verdade e escutado a voz das paixões, sua luz não passa detrevas, em meio das quais o Espírito não pode reconhecer a estrada que o faz gravitar para Deus.

O Espiritismo é essa voz poderosa que já repercute até os confins da Terra; todos a ouvirão. Felizes os que, não tapando voluntariamente os ouvidos, sairão de seu egoísmo, como o fariam os mortos de seus sepulcros, e daí por diante realizarão os atos da vida verdadeira, a do Espírito se desembaraçando dos entraves da matéria, como fez Lázaro de seu sudário, à voz do Salvador.

O Espiritismo marca a hora solene do despertar das inteligências que usaram o seu livre-arbítrio para se demorarem nos atalhos lamacentos, cujos miasmas deletérios infectaram a alma com um veneno lento, que lhe dá as aparências da morte. O Pai celeste tem piedade desses filhos pródigos, caídos tão baixo que nem mesmo pensam na morada paterna e é para eles que permite essas manifestações brilhantes, destinadas a convencer que, além deste mundo de formas perecíveis, a alma conserva a lembrança, o poder e a imortalidade.

Possam eles, esses pobres escravos da matéria, sacudir o torpor que os impediu de ver e compreender até hoje; possam estudar com sinceridade, a fim de que a luz divina, penetrando sua alma, dela expulse a dúvida e a incredulidade.

João Evangelista – Paris, 1866





O JUÍZO FINAL

12. – Jesus virá sobre as nuvens para julgar os vivos e os mortos. Sim, Deus o enviará, como o envia todos os dias, para fazer esta justiça soberana nas planícies imensas do éter. Ah! quando São Tiago foi precipitado do alto da torre do templo de Jerusalém, pelos pontífices e fariseus, por ter anunciado ao povo reunido esta verdade ensinada pelo Cristo e seus apóstolos, lembrai-vos de que a esta palavra do justo a multidão se prosternou, exclamando: Glória a Jesus, filho de Deus, no mais alto dos céus!

Ele virá sobre as nuvens proferir suas temíveis sentenças: não é vos dizer, ó espíritas, que ele vem perpetuamente receber as almas dos que entram na erraticida de? Passai à minha direita, diz o pastor às suas ovelhas, vós que agistes bem, segundo as vistas de meu Pai, passai à minha direita e subi para ele; quanto a vós, que vos deixastes dominar pelas paixões terrenas, passai à minha esquerda; estais condenados.

Sim, estais condenados a recomeçar o caminho percorrido, em nova existência terrestre, até que vos tenhais saciado de matérias e iniqüidades, e que, enfim, tenhais expulsado o impuro que vos domina. Sim, estais condenados; ide e voltai ao inferno da vida humana, enquanto vossos irmãos da minha direita vão se precipitar nas esferas superiores, de onde as paixões da Terra estão excluídas, até o dia em que entrarem no reino de meu Pai, por uma maior purificação.

Sim, Jesus virá julgar os vivos e os mortos. Os vivos: os justos, os da sua direita; os mortos: os impuros, os da sua esquerda; e quando brotarem as asas dos justos, a matéria ainda se apossará dos impuros. E isto até que estes saiam vencedores dos combates contra a impureza e enfim se despojem, para sempre, de suas crisálidas humanas.

Ó espíritas! vedes que a vossa doutrina é a única que consola, a única que dá esperança, não condenando a uma danação eterna os infelizes que se comportaram mal durante alguns minutos da eternidade; a única, enfim, que preside ao fim verdadeiro da Terra pela elevação gradual dos Espíritos.

Progredi, pois, despojando o homem velho, para entrar na região dos Espíritos amados por Deus.

Erasto – Paris, 1861

13. – A sociedade em geral ou, melhor dizendo, a reunião dos seres, tanto encarnados quando desencarnados, que compõem a população flutuante de um mundo, numa palavra, a Humanidade, não é senão uma grande criança coletiva que, como todo ser dotado de vida, passa por todas as fases que se sucedem em cada um, desde o nascimento até a mais avançada idade; e assim como o desenvolvimento do indivíduo é acompanhado por certas perturbações físicas e intelectuais, que se dão mais particularmente em certos períodos da vida, a Humanidade tem as suas doenças de crescimento, suas perturbações morais e intelectuais. É a uma dessas grandes épocas que terminam um período e que começam outro que vos é dado assistir. Participando ao mesmo tempo das coisas do passado e das do futuro, nos sistemas que se aniquilam e nas verdades que se estabelecem, tende cuidado, meus amigos, de vos pôr do lado da solidez, da progressão e da lógica, se não quiserdes ser arrastados sem rumo; e abandonai os palácios suntuosos quanto à aparência, mas vacilantes pela base, e que logo sepultarão sob suas ruínas os infelizes bastante insensatos que deles não querem sair, a despeito dos avisos de toda natureza que lhes são prodigalizados.

Todas as frontes se tornam sombrias, e a calma aparente que desfrutais não serve senão para acumular maior número de elementos destruidores. 

Algumas vezes a tempestade que destrói o fruto dos suores de um ano é precedida por mensageiros que permitem tomar as precauções necessárias para evitar, tanto quanto possível, a devastação. Desta vez não será assim. O céu carregado parecerá iluminar-se; as nuvens fugirão; depois, de repente, todos os furores, por muito tempo reprimidos, se desencadearão com uma violênciainaudita.

Infeliz dos que não tiverem preparado um abrigo! infelizes dos fanfarrões que enfrentarem o perigo de mãos desarmadas e peito descoberto! infelizes dos que desafiarem o perigo com a taça na mão! Que decepção terrível os espera! Antes que a taça que sustentam alcancem seus lábios eles serão atingidos!

À obra, pois, espíritas, e não esqueçais que deveis ser todo prudência e todo previdência. Tendes um escudo, sabei dele vos servir; uma tábua de salvação: não a desprezeis.

Clélie Duplantier –  Paris,  1867


Evolução é caminhar do complexo para o simples e do difícil para o fácil







Regis Mesquita


"Quem evoluir nesta encarnação enfrentará as dificuldades das próximas encarnações com mais suavidade e eficiência”.

Trecho do Livro Nascer Várias Vezes


O espírito reencarna para ter novas oportunidades de aprendizado, evolução. A vida é o campo de provas, e as situações corriqueiras, cotidianas e rotineiras são a maior parte dos desafios. Aproveitar as situações rotineiras para treinar e aperfeiçoar os aprendizados é uma postura inteligente e necessária. O espírito que quer evoluir no planeta Terra tem que aprender a valorizar as múltiplas oportunidades que surgem no cotidiano.

A evolução é a forma do espírito caminhar do complexo para o simples, do difícil para o fácil e do imaturo para o maduro. Existe lógica na evolução, já que ela está interligada a todas as outras Leis que regem a vida na Terra e nos planos espirituais. Esta lógica é simples e diz assim: quem aprende faz mais fácil. Dê uma chave na mão de uma criança bem pequena e mande-a destrancar uma porta. Ela terá que realizar vários movimentos que seu corpo ainda não aprendeu. Será difícil, complexo e no final sobrará uma criança frustrada, cansada e insatisfeita com o resultado.

A evolução pode ser comparada a conquistar centenas de chaves que tornam as portas (desafios) fáceis de serem abertas (resolvidos). Com as “chaves” aprendidas, o indivíduo se mantém satisfeito, descansado e realizado. A evolução é, portanto, uma das melhores formas de conquistar qualidade de vida.

Aprendizado, abertura, usufruto e oferta são as palavras centrais para entender o que é evoluir.

O que aprendemos torna-se fácil. Se o computador estraga, o técnico resolve com facilidade. Alguém despreparado, que tente resolver o problema, terá um grande desgaste, com perda de tempo e baixa eficiência. O que para o técnico é simples, para o leigo é complexo. Da mesma forma, toda qualidade que desenvolvemos facilita a resolução de problemas. Se a pessoa cultivou a disciplina e a perseverança, ela consegue enfrentar mais facilmente e com menos desgaste os desafios da vida.

O resultado do aprendizado é o usufruto. Se você resolve eficientemente o problema do computador, sobra tempo para o que é essencial na vida. São vários usufrutos: mais tempo, menos desgaste, facilidade em transpor alguns obstáculos e possibilidade de aproveitar outras oportunidades. Todavia, o usufruto somente se mantém se as escolhas continuarem as mesmas (coerência). Suponhamos que uma pessoa aprenda a tocar violão. Terá o usufruto deste aprendizado, desde que continue tocando. Se abandonar o instrumento irá perder o usufruto, assim como parte de sua habilidade musical. Da mesma forma, uma pessoa que desenvolveu a disciplina, se em determinado momento da vida começar a dar prioridade para a má vontade, irá deixar de usufruir dos benefícios da disciplina. Observe: ela terá disciplina, mas a má vontade a fará desistir ou desviar de desafios – os resultados positivos desaparecerão.

Abertura é muito importante, pois quem evolui gera expansão da consciência e das experiências de vida. É simples explicar: se uma pessoa se dedica a aprender a tocar violão, ela vai progredir em qualidade musical. Seu ouvido aperfeiçoará, suas mãos terão mais controle, seu interesse por música será reforçado. Ele será um pouco melhor e a vida um pouco mais divertida. Aprendendo a tocar bem o violão, a própria dinâmica da vida se encarregará de proporcionar-lhe novos desafios: tocar em público, por exemplo. Ou aperfeiçoar a voz e o canto, ou ensaiar com outros músicos, etc. Toda qualidade positiva gera movimento, que gera novos desafios e novos aprendizados. Desta forma a vida vai ampliando. A evolução exige que a pessoa tenha abertura, para permitir com que este movimento aconteça, gerando novos aprendizados. Uma pessoa, que tratava rispidamente seu irmão, aprendeu a ter paciência e passou a ser respeitosa com o familiar. A vida em família pode ser feliz, novamente. A felicidade fez com que tivessem mais contato e mais projetos juntos – a vida ampliou.

Existe uma abertura muito mais importante: a abertura/expansão da consciência. Ao ler o livro Nascer Várias Vezes, você aprenderá que a grande fronteira evolutiva é a abertura para o inconsciente/espiritualidade. Esta evolução que acontecerá nos próximos séculos, permitindo que mais sabedoria e informação “aflore” na mente. Isto facilitará a evolução, pois aproveitaremos melhor os aprendizados de outras encarnações.

Ofertar é um ótimo recurso para a evolução. Sem ela é praticamente impossível desenvolver os níveis evolutivos mais nobres. Aliás, quanto mais nobre, mais necessária a oferta. A oferta é importantíssima porque ela permite o usufruto do que foi conquistado. Também obriga ao desenvolvimento de qualidades compensatórias que impedem que uma qualidade positiva se transforme em negativa. Vou contar uma história: era uma vez um moço que tocava violão muito bem, porque se dedicou e desenvolveu sua musicalidade. Ao tocar violão em público, ele encantava muitas mulheres. Neste contexto, ele fortaleceu seu orgulho. Como sempre faz, o orgulho o obrigou a gerar pensamentos negativos: ele desenvolveu desprezo pelas mulheres. Dizia que mulheres eram idiotas que só serviam para lhe dar prazer. Sua percepção da realidade começou a mudar quando seu irmão o levou para tocar em hospitais. O choque com a doença mudou sua mente e suas prioridades. Ele reencontrou o equilíbrio em sua vida através da oferta da sua música para alegrar a vida de pessoas sofredoras. Ele continuou sendo uma pessoa carismática e com talentos, e acrescentou a humildade e a sensibilidade ao sofrimento alheio. O equilíbrio acontece na vida humana quando uma qualidade positiva é harmonizada com a agregação de outra qualidade positiva.

Estamos encarnados para evoluirmos em todos os momentos da vida, inclusive nos assuntos mais corriqueiros do dia-a-dia. O cotidiano possui diferentes tipos de dificuldades, que necessitam de diferentes qualidades. Apesar de repetitivo, ele é diverso nos desafios. Assim sendo, o grande campo de batalha de quem está encarnado é a rotina do dia-a-dia. São pequenos eventos que se repetem e nos permitem enfrentá-los com várias estratégias, com vários sentimentos, com vários pensamentos. Cada aprendizado gera amadurecimento e mais sabedoria. Cada aprendizado gera mais facilidades e mais qualidade de vida.

Se quiser evoluir espiritualmente preste muita atenção nas ações do dia-a-dia.
Quando você se sentir cansado, desanimado, estressado e com falta de paz, lembre-se que a evolução é um remédio santo. Aos poucos, ela preenche o espírito de recursos para resolver positivamente os problemas, mesmos os piores.


Observação: a evolução do espírito não é apenas moral. A conquista de habilidades próprias da organização do Universo também é muito importante. A musicalidade é uma destas habilidades.

ACEITEM O QUE LHES É TRAZIDO AGORA EM GRATIDÃO E ALEGRIA




Francisco de Assis


Eu sou conhecido no seu tempo como Francisco, Francisco de Assis.

Eu pedi para falar com você agora para chegar aos corações de muitos que abordam o tempo vindouro com apreensão e medo.

Você verá que conforme você e eu conversarmos mais um com o outro, tornar-se-á muito mais natural, como é entre você e Miguel.

Quando eu andei na Terra como Francisco, atingindo um estado de iluminação, significando ser capaz de falar com o espírito e estar em comunicação com o Eu, não foi algo simples.

A maioria da humanidade naquela época simplesmente tentava sobreviver de um dia para o outro.

A maioria das viagens somente podia ser feita a pé.

Se alguém tivesse sorte bastante para ter uma besta para montar, poderia ser muito mais fácil e um pouco mais rápido.

A maioria realmente não deixava suas cercanias imediatas durante a vida toda.

A comunicação era em sua maioria através da palavra falada.

Se alguém sabia ler ou escrever, ele somente poderia transmitir o que cabia num pergaminho ou papel.

A única educação disponível onde eu vivia era através da igreja e era disponível para muito poucos.

Agora seu mundo é muito diferente.

Isto lhes trouxe uma capacidade de viajar e se comunicar, de aprender, que nós nem sonharíamos.

E ainda, vocês também atingiram um ponto de finalmente enxergar com clareza a condição do mundo em que vocês vivem, e isto não os encheu de felicidade.

Vejam, é graças à sua fantástica capacidade de comunicação que vocês estão destruindo seu mundo e uns aos outros.

Vocês decidiram que mudariam a atitude de sua sociedade e pediram por ajuda espiritual para realizar isto.

E tantas mudanças têm acontecido que é difícil saber por qual delas começar a falar.

Mas o mais importante é que vocês escolheram se alinhar como fluxo das energias da época e mudar, o que sempre foi a vontade do Divino.

Não importa como você e seus semelhantes chamam a Energia Divina.

Somente importa que vocês a reconheçam e trabalhem com ela e não contra ela, que vocês não tentem torcer a vontade dela para adequá-la aos seus próprios fins egoísticos.

Vocês atingiram isto num período de tempo surpreendentemente curto e se prepararam para experimentar um grande evento cósmico para o seu benefício ao invés de para a destruição de seu mundo.

Sim, um auxílio enorme e em sua maioria invisível lhes vem neste empreendimento, mas seus próprios esforços, esforços pessoais, são o que os têm preparado para estas próximas poucas semanas.

Por favor, estejam em paz em seus corações e saibam que somente seus mais altos e melhores interesses são a intenção de seu Criador e os anjos deles, a quem vocês chamam de mestres e a quem vocês às vezes se referem como a Companhia de Luz.

Nós queremos que vocês saibam que são preparados o máximo que podem ser.

Vocês puseram tanta expectativa nesta época e ouviram demais a profecias obsoletas que deixaram muita preocupação e medo turvar o que deveria ser, e será a época mais maravilhosa da história deste planeta ou de qualquer outro.

Simplesmente deixem ir a preocupação e o medo.

Aceitem o que lhes é trazido agora em gratidão e alegria.

E tão certo quanto estou falando com vocês agora, saibam que vocês, vocês como indivíduos, nada têm a temer porque seu maior medo jamais pode lhes sobrevir.

Vocês podem nem sempre se chamarem João ou Maria, tal como eu nem sempre sou conhecido como Francisco, mas vocês sempre existirão.

Vocês são preciosos demais para seu Criador para isto não ser verdade.

Se vocês apenas aprenderem a amar vocês como vocês são amados, somente isso já mudará seu mundo para a condição que vocês chamam de paraíso.

Agora me vou.

Eu disse o que vim dizer, desejo-lhes paz e até logo.

Boa sorte

REAÇÃO


REAÇÃO

Observa as flores humanas que assomam chorando nos torturados berços do
sofrimento.
Feridas congeniais lhes assinalam a contextura.
Despontam na árvore familiar, agitadas pela ventania de agitadas
flagelações, reclamando assistência e socorro, compaixão e entendimento.
Diante delas, muita vez, o filósofo invigilante recusa a fé no burilamento
final do gênero humano, e o religioso incompleto começa a indagar sem razão,

quanto à eqüidade na Justiça de Deus.
É que nessas criancinhas, sob o ferrete da expiação, voltam ao campo da
experiência terrestre quantos se fizeram no mundo instrumentos da crueldade
para os outros e para consigo mesmos.
Aqui é o juiz venal que regressa com cérebro embaciado, incapaz do
pensamento correto.
Ali, é o cirurgião que abusou dos próprios recursos, para estender
homicídios inconfessáveis, reaparecendo sem mãos para novas lutas na vida.
Acolá, encontraremos o esportista elegante que se valeu de dons respeitáveis

para furtar a felicidade dos outros, retomando o indumento carnal com as
doenças inquietantes a lhe curar os centros nervosos intoxicados por ele
mesmo e, mais adiante, surpreendemos a mulher vaidosa e insensata, que
aproveitou a própria beleza para destruir a paz de lares promissores,
ressurgindo no corpo retardado e disforme para rude estação na penúria e na
idiotia.
Diante do berço martirizado, lembremos as nossas próprias dívidas e
auxiliemos as avezinhas do infortúnio a refazerem as próprias asas, no visco

da provação a que se atiraram, desprevenidas, porque todos detemos
compromissos enormes na contabilidade Divina e todos, no tempo justo,
seremos inevitavelmente chamados ao justo acerto, necessitando igualmente da

dor mais alta, a fim de que sejamos conduzidos à harmonia maior.

(Obra: Plantão de Paz - Chico Xavier/Emmanuel)