terça-feira, 29 de maio de 2012

PERDÃO E NÓS

PERDÃO E NÓS
Habitualmente, consideramos a necessidade do perdão apenas quando alvejados por ofensas de caráter público, no intercurso das quais recebemos tantos testemunhos de solidariedade, na esfera dos amigos, que nos demoramos hipnotizados pelas manifestações afetivas, a deixar-nos em mérito duvidoso.
A ciência do perdão, todavia, tão indispensável ao equilíbrio, quanto o ar é imprescindível à existência, começa na compreensão e na bondade, perante os diminutos pesares do mundo íntimo.
Não apenas desculpar todos os prejuízos e desvantagens, insultos e desconsiderações maiores que nos atinjam a pessoa, mas suportar com paciência e esquecer completamente, mesmo nos comentários mais simples, todas as pequeninas injustiças do cotidiano, como sejam:
- a observação maliciosa;
- a referência pejorativa;
- o apelo sem resposta;
- a gentileza recusada;
- o benefício esquecido;
- o gesto áspero;
- a voz agressiva;
- a palavra impensada;
- o sorriso escarnecedor;
- o apontamento irônico;
- a indiscrição comprometedora;
- o conceito deprimente;
- a acusação injusta;
- a exigência descabida;
- a omissão injustificável;
- o comentário maledicente;
- a desfeita inesperada;
- o menosprezo em família;
- a preterição sob qualquer aspecto;
- o recado impiedoso.
Não nos iludamos em matérias de indulgência.
Perdão não é recurso tão somente aplicável nas grandes dores morais, à feição do traje a rigor, unicamente usado em horas de cerimônia.
Todos somos suscetíveis de erro e, por isso mesmo, perdão é serviço de todo instante, mas, assim como o compositor não obtém a sinfonia sem passar pelo solfejo, o perdão não existe, de nossa parte, ante os agravos grandes, se não aprendemos a relevar as pequenas indelicadezas.
Pelo Espírito Emmanuel.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Livro Estude e Viva. Lição nº 33. Página 188.
Perdao.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário