sábado, 13 de abril de 2013

O Sexo E O Amor Na Visão Espírita


O Sexo E O Amor Na Visão Espírita

Magali Bischoff

No Capítulo “Mundo de expiações e provas” do Evangelho Segundo o Espiritismo, encontramos a citação de Santo Agostinho: “A Terra nos oferece pois, um dos tipos de mundos expiatórios em que as variedades são infinitas, mas têm por caráter comum servirem de lugar de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus.”

Alguns podem pensar: “Como exilar os espíritos rebeldes à Lei Divina na Terra, se eles aparentemente não conhecem essa Lei e não a praticam? ”

Sabemos que a Lei Divina está gravada em nossa consciência (Livro dos Espíritos questão 621)e que somos todos iguais perante o Criador –Deus.Todos os Espíritos carregam a perfectibilidade e alcançarão no futuro a sua herança divina que é a perfeição e a felicidade já definidas pela Lei do progresso. Mas o caminho percorrido pelo espírito rumo à Perfeição, está diretamente ligado ao uso do seu livre-arbítrio.

A diversidade de condição dos espíritos que formam a humanidade planetária é imensa. Observando melhor o tempo que levamos para progredir, nas diversas Civilizações que por aqui passaram,temos um longo caminho à percorrer para conquistarmos mudanças significativas nas questões espirituais.Só não estamos mais atrasados, porque de tempos em tempos a espiritualidade faz renascer na Terra, espíritos mais evoluídos para auxiliarem no nosso progresso.

Essa energia sexual movimenta toda a Criação, mas ainda é utilizada de forma limitada nos mundos inferiores, onde prevalece o instinto de conservação e reprodução das espécies, associado a energia criadora e modeladora do espírito. Essa força criadora impulsiona a evolução dos seres vivos ena condição humana com o uso da razão,ele começa a compreender que assumir a responsabilidade perante seus atos faz parte do seu aprimoramento moral, fator essencial ao seu progresso espiritual. Quando ele atinge o ápice na percepção dessa energia criadora, passa a vivenciar a experiência plena do Amor.

Na longa trajetória do espírito através das vidas sucessivas, descobre que as suas escolhas é que definem o tempo que levará para alcançar a evolução espiritual.Nesse ponto, a citação do Evangelho deixa claro que mesmo tendo a consciência dessas Leis, nos Mundos de provas e expiações, que é o caso do Planeta Terra, o caminho é mais longo, pois esse tipo de mundo recebe os espíritos que recusam aprimorar as Leis Divinas em sua própria consciência.

O mundo material e os prazeres da carne, levam o espírito a passar por diversas experiências e na relação direta entre criaturas dediferentes estágios evolutivos,cometer erros e desrespeitar a Lei Divina é próprio do espírito em aprendizado. Mas a lição aprendida com cada atitude, permanece gravada na consciência de cada um, seja ela boa ou ruim.

A estreita compreensão da Lei Divina mais a forte tendência ao egoísmo e ao orgulho da criatura nesse estágio,permitiram que acreditássemos que já nascemos sob a égide do pecado original.A visão de“culpa, a inferioridade e o pecado” estiveram presentes desde o princípio da Criação e foram implantadas pelos homens, através da religião dominante que se utilizava do“Poder de “Deus”, para justificar o próprio desejo de domínio sobre os grupos e povos. Foram poucos os pensadores que conseguiram questionar essa teoria implantada pela força e pelo medo. Mas no século dezenove a Doutrina Espírita retirou o véu da ignorância, despertando a consciência do espírito à Luz da razão.

Os princípios da Doutrina Espírita contidos nas obras básicas de Allan Kardec, quando estudados e bem compreendidos, deixam bem claro O que é Deus, a natureza da Criação, a existência dos espíritos e das Leis Universais.A Doutrina revela que não existe o “pecado” e a “culpa” em relação a criação e a energia sexual e que não temos como definir com uma simples análise, em que pontos e encontra cada espírito no Planeta ou fora dele, no quesito: evolução do senso moral.

O aprimoramento do senso moral e o equilíbrio da energia criadora em alguns espíritos já foram desenvolvidos em sua plenitude. Em outros ainda se encontram em desenvolvimento, mas a grande maioria ainda necessita reencarnar em longas experiências aqui na Terra para alcançá-la. Por isso não podemos identificar, nem mesmo julgar, condenar ou avaliara condição de cada espírito em relação ao uso da sexualidade, mesmo porque, a maioria dos seres que habitam um Planeta de provas e expiações é recém chegado de dolorosas experiências e repetentes nas lições relacionadas ao uso do sexo e da sua energia criativa ligada à sexualidade.

Esse tema passa a ter um sentido de interesse coletivo, quando o limite entre o respeito à individualidade passa para o descaso, o preconceito e quando essas questões envolvem a dor e o sofrimento de criaturas que são subjulgadas à essa condição, escravizando suas almas.Nesse caso o papel da sociedade mais evoluída moralmente é interferir na educação e amparo desses irmãos através da educação da família, do desenvolvimento de valores humanos e da inclusão de todos na sociedade com seus direitos e deveres Constitucionais.

Jesus, esteve na Terra para nos ensinar essa grande lição perante os considerados pecadores do Evangelho, como o caso da mulher adúltera: “Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver isento de pecado” - disse Jesus.Com essa lição Ele ensina através do seu EXEMPLO que não devemos julgar pela aparência ou com mais severidade os outros, do que nos julgamos a nós mesmos, nem condenar em outrem aquilo de que nos absolvemos.

Como pensar em um mundo de Regeneração com tantas situações mal resolvidas para o espírito em evolução no Planeta?

A Doutrina Espírita nos faz um convite, acolher nossa inferioridade e a de todos aqueles que sofrem suas dores íntimas ligadas a energia sexual, a afetividade e a busca da aceitação e do amor próprio. Que através do exercício constante do Bem, consigamos desenvolver em nós o sentimento de fraternidade, de solidariedade mas principalmente de ações que possam minimizar a dor alheia, repartindo o conhecimento que poderá libertá-las das algemas da ignorância, do desamor e do abandono quando se deixaram levar pela “dor evolução”, momento decisivo para as grandes mudanças no espírito em prova.

Sabemos que é um processo muito doloroso para o espírito, quando ele decide trilhar um novo caminho e vencer a si mesmo,resgatando seus valores, sua dignidade, sua individualidade, descobrindo-se para a vida, para a felicidade e retornando “A Casa do Pai”, ou seja a vivência das Leis Divinas perante a própria consciência.

Um grande exemplo para todos que sofrem com as dores da alma na questão sexual é Maria Madalena. A sua redenção representa a Misericórdia Divina e a potencialidade do trabalhador do Cristo na obra do Bem quando descobre que o “Amor cobre a multidão de pecados”.

Muita Paz! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário