sexta-feira, 12 de abril de 2013

Atendimento Fraterno


Atendimento Fraterno


 
O Atendimento Fraterno que hoje se faz nos centros espíritas já era praticado há muitas décadas, mas dedicado apenas a Espíritos desencarnados, nas reuniões mediúnicas, chamadas de desobsessão ou de doutrinação.

Àquele tempo, o exercício mediúnico era também voltado aos trabalhos de materialização, em que se corporificavam Espíritos e eram movimentados objetos, transportadas flores, etc. Havia também a prática mediúnica voltada a curas físicas e, em menor escala, à psicografia.

A doutrinação de Espíritos situava-se mais no campo filosófico, sectário, com vigorosa argumentação doutrinária, distante da pregação dos chamamentos do Evangelho. Praticava-se um esforço de convencimento pela razão que, muitas vezes, não tocava o coração, embora fossem citados pontos do Evangelho. Às vezes, o diálogo chegava às raias de verdadeiro debate acalorado, como se fosse uma disputa política ou uma discussão acadêmica.

Mas, com o passar do tempo, o entendimento dos trabalhadores da seara mediúnica evoluiu muito, principalmente depois da obra de Chico Xavier, na qual se sobressai a literatura de André Luiz e de Emmanuel.

Em verdade, a obra de André Luiz ainda não foi suficientemente avaliada, porque não tem sido estudada em profundidade, a não ser em grupos que promovem seminários, encontros, etc. Em toda a série de seus livros, têm-se esclarecimentos quanto à prática mediúnica e à necessidade do esforço pessoal do trabalhador, no sentido de capacitar-se a levar as verdades do Evangelho ao Espírito necessitado, não só através de citações dos ensinamentos de Jesus, mas da exemplificação do esforço de vivência do médium e do doutrinador.

Nas reuniões mediúnicas, aquele que antigamente era abordado como obsessor, perseguidor, hoje é visto como um irmão necessitado de esclarecimento, de ser beneficiado com as luzes dos ensinamentos de Jesus.

Hoje, o doutrinador desceu da cátedra de onde ensinava o caminho do bem através de arrazoados filosóficos e de citações evangélicas, para falar ao irmão equivocado, carente de compreensão, de amparo, de carinho, embora se mostre, muitas vezes, rebelde, imprudente, atrevido. O entendimento de hoje leva-nos a olhar o obsessor não como um perseguidor implacável, um criminoso, mas como um irmão equivocado e doente, a requerer atenção, respeito, bondade e carinho.

Perseguidor e perseguido não mais são vistos como algoz e vítima, mas como irmãos que se desavieram no passado, os quais deverão ser beneficiados pelas luzes do Evangelho.

Essa compreensão mais avançada deve também iluminar aqueles que se dedicam à atividade de atendimento fraterno a encarnados, prática que se tem tornado comum nas casas espíritas. É imprescindível um esforço constante no Bem, da parte daquele que se propõe a ajudar: conscientização de que, embora não seja um santo acabado, deve manter um contato íntimo com a oração, deve promover esforços no campo do autoaprimoramento, da disciplina, da obediência. Aquele que se propõe a ouvir e ajudar um irmão necessitado deve esforçar-se continuamente na busca do desenvolvimento da bondade, da tolerância, da benevolência, da humildade e da compaixão.

Essa conscientização permanente fará com que o atendente tenha a palavra carregada de energia positiva, aquela emanada da convicção profunda e do coração voltado ao Bem, pois assim suas palavras serão revestidas de uma energia que tocará fundo o entendimento do interlocutor, não representando apenas posição intelectual, mas vibração sincera de Amor.

 Essa condição essencial para o trabalho de evangelização é colocada em relevo pelo Instrutor Alexandre: O companheiro que ensina a virtude, vivendo-lhe as grandezas em si mesmo, tem o verbo carregado de magnetismo positivo, estabelecendo edificações espirituais nas almas que o ouvem. Sem essa característica, a doutrinação, quase sempre, é vã. (Missionários da Luz, cap. 18)

A força da convicção, do equilíbrio e do amor daquele que fala, que doutrina, foi sentida por Mateus, que a registra no último versículo das suas anotações de O Sermão da Montanha:

E sucedeu que, concluindo Jesus este discurso, as turbas estavam maravilhadas com seu ensino, pois estava ensinando a eles como quem tem autoridade e não como os escribas deles. (Mt, 7: 28 e 29)


Nenhum comentário:

Postar um comentário