domingo, 25 de dezembro de 2011

A fome maior

A fome maior


Uma grande mobilização existe em nosso país, e no mundo, com o intuito de acabar com a fome.

Fala-se a todo momento em fome zero. Todos se mobilizam no ideal de saciar a fome dos corpos. Ação mais do que justa.

O assunto, contudo, não é novo. O problema da fome sempre rondou a humanidade, em épocas variadas.

Na obra Plenitud, de autoria de amado nervo, existe um capítulo intitulado "todos têm fome" e que comenta, mais ou menos o seguinte: "neste orbe, todos têm fome: fome de pão, fome de luz, fome de paz, fome de amor.

Este é o mundo dos famintos. A fome de pão, melodramática e ruidosa, é a que mais comove, porém não é a mais digna de comiseração.

Existe a fome de amor. Muitos desejam ser amados, ter alguém que os queira e passam pela vida sem ninguém que lhes conceda uma migalha de carinho.

Há os famintos de luz. Espíritos que anseiam por conhecimentos e não conseguem ter a sua fome atendida.

Finalmente, a fome de paz que atormenta a quantos trazem os pés e o coração a sangrar."

Muita sabedoria encerra esta página. A fome do corpo é uma só. Mas a fome do espírito apresenta várias faces, cada uma de efeitos mais alarmantes.

A fome de pão atinge somente o indivíduo. Não contamina a terceiros. As outras espécies de fome generalizam suas conseqüências e comprometem a coletividade.
 
A fome de amor, de luz e de paz fomenta muitas tragédias.

Quem não se sente amado, quem não tem luz e nem paz é a criatura que se torna manchete como promotora de crimes terríveis.

O crime, nos seus aspectos mais variados, resulta de uma falha moral, de um nível baixo de espiritualidade, de um desequilíbrio psíquico.

A grande solução está na educação convenientemente compreendida e ministrada. Educação que se volta para o ser espiritual.

Desta forma, a humanidade encontrará a sua solução na educação.

Educar a criança é semear o bom grão. É preparar uma nova sociedade. É criar um mundo novo onde habitará a justiça.

Um mundo onde reinará a solidariedade, garantindo o pão para todos.

Um mundo de fraternidade que a todos oferecerá ensejo de revelar suas capacidades.

É tempo de investir na transformação do indivíduo. É tempo de deixar de permanecer alheios ao processo cuja eficácia é indiscutível na melhoria individual e social: a educação.

Cabe-nos, assim, o engajamento nessa luta contra a fome.

Voltemos nossa atenção para a escola. Eduquemos a criança no lar, desde pequena.

Naturalmente, é um projeto à longo prazo. Trata-se do preparo e cultivo do solo que, após os devidos cuidados, produzirá frutos de acordo com a sementeira feita.

Pense nisso!

Para atender a fome do corpo, basta um pedaço de pão.

Para atender a fome generalizada do ser humano, necessária se faz a luz da razão, que espanca as sombras de quem avança em sofrimento ou limitação.

E educação é o desenvolvimento harmônico de todas as faculdades do espírito, para que este se torne luz, adquira paz e exercite o amor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário