segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

ESTUDANDO A REENCARNAÇÃO






                                           ESTUDANDO A REENCARNAÇÃO


Uma das maiores tarefas da Doutrina Espírita foi a de trazer ao Ocidente o conhecimento e a finalidade das reencarnações. Conhecimentos esses que sempre foram comuns no Oriente e nas escolas iniciáticas, que a religião dominante proibiu, contribuindo para um grande atraso nos estudos superiores dos povos ocidentais.


Claro está que não foi a única a trazer luzes para o lado ocidental do planeta, que por muitos milênios esteve envolvido em densas trevas a respeito da grande finalidade da vida e da transmigração da alma à caminho da evolução.


O estudo das reencarnações não tem como objetivo descobrir as nossas pretéritas identidades, quem fomos ou qual nome, provavelmente famoso, tivemos. Estas preocupações são as que menos importam e foram sabiamente projetadas para a inconsciência pela sabedoria divina, por não serem úteis na vida atual.


Procurar saber se fomos alguma cabeça coroada, um personagem famoso da história, uma Cleópatra, Maria Antonieta, um Julio César, um Danton ou grande nome das descobertas humanas são apenas frutos da vaidade que ainda somos possuidores. Teria a história suficiente personalidade famosa para preencher a vaidade de todo mundo? Se por ocasião de alguma regressão de memória soubermos que fomos alguém famoso não haveria motivos para nos envaidecer, pois sabemos que não estamos suficientemente evoluídos para não mais reencarnar.
Se hoje nada somos, menos fomos no passado.


Segundo relatos de entidades espirituais idôneas, existiram grandes homens e mulheres que estão no astral superior, que foram criaturas desconhecidas quando viveram na terra. Os grandes valores humanos nem sempre se projetam na sociedade e passam pela vida no anonimato. Muitos empregados e criaturas humildes de nossas relações podem possuir um cabedal evolutivo muito superior ao nosso. E pelos mesmos relatos sabemos que muitas criaturas famosas e até mesmo as que foram consideradas santas, nem sempre estão numa esfera espiritual elevada. O padrão de avaliação do homem na Terra difere muito do que é usado no plano do espírito. Nem sempre o ser humano é em seu interior o que aparenta no exterior.



A maior finalidade do estudo da reencarnação é propiciar um maior entendimento dos métodos usados pela vida para o engrandecimento da alma humana. Entender os inúmeros porquês que sempre nos vêem a mente nos momentos críticos que atravessamos.

As carências de hoje são frutos do mau uso das abundâncias de ontem, entendendo o ontem como outras vidas ou encarnações. Não conta a falta de algo que não nos incomoda mas, justamente aquilo que mais almejamos e não conseguimos obter, ou seja, riquezas, beleza, fama, status social, algum talento artístico, ou até mesmo um corpo normal, sem deficiência.
Mulheres estéreis, de forma geral, foram as que fizeram uso do aborto em si ou em outras criaturas; os mendigos sem lares provavelmente, foram os políticos ou senhores ricos que despojaram famílias e povos de suas casas. Os que empobreceram outras criaturas nascem hoje em extrema penúria.


Os que antes tiveram grandes projeções na direção de país, grupos ou entidades religiosas hoje nascem obscuros e insignificantes, ontem mandavam e hoje, obedecem. Os perseguidores renascem numa vida de perseguidos. Senhores ontem, serviçais hoje.
Tudo que foi relatado são os fatos mais graves que nem sempre podemos usar como regra geral, há casos e casos.


Nem sempre o sofrimento atual é fruto de ações passadas, muitas vezes são resultados de atos desta vida, como vícios, inimizades provocadas por nós, mau uso ou esforço exagerados nas atividades físicas. Pensamentos negativos de rancor ou mágoas. O mais importante é saber que toda ação provoca uma reação e que nós somos o arquiteto da passarela que atravessamos.
Para sabermos o que fomos ontem é observar o que não temos atualmente.


Outra faceta a considerar é que nem toda pobreza, carência e frustração podemos registrar como carma. Há inúmeros relatos de como uma encarnação é combinada no astral para aqueles que precisam se reajustar para a evolução, programando pobreza, falta de estética ou uma deficiência para melhor auxiliar o espírito no aprendizado da vida. Podemos considerar como instrumento para melhor ascender. Pois uma vida na riqueza, na beleza, projeção social ou outra, dificulta muito a evolução por favorecer muito a fixação da mente na esfera material e na vaidade.


Nascemos para evoluir. Nenhuma criatura cresce ou ascende sendo orgulhosa, egoísta ou com outros sentimentos menos nobre. Portanto podemos deduzir desta reflexão, as causas de muitas pessoas com grande orgulho pessoal, nascerem em lares onde são constantemente humilhadas e inferiorizadas no ambiente social, são para poderem tirar de si o grande obstáculo na obtenção da luz espiritual.


O ego inflado é o paredão que separa o homem de Deus.
Nada mais favorável a conquista da humildade do que uma vida de simplicidade e insignificância; nada melhor para tirar uma grande vaidade do que a pouca projeção social, até mesmo um físico sem estética ou atrativo.


Criaturas que em outras vidas se arrojaram no suicídio danificaram seu perispírito (um dos inúmeros corpos que o homem possui) renascem com as conseqüências desta grave atitude. São os casos de nanismo, deficiência mental ou física, surdez, paralisia, doenças crônicas nos órgãos internos e outros. Os antigos viciados renascem em corpos doentes ou deficientes.
Pode parecer para os leigos que tudo são castigos e que uma mão superior vive dando sofrimentos a seu bel-prazer. Os que se aprofundam nestes estudos sabem que a vida do homem é o que ele mesmo faz; o que provoca dor é mais a ignorância do ser sobre si mesmo e a respeito das leis que regem o Universo do que uma vingança de um Deus cruel.


Como os povos que aprendem a se higienizar e prevenir afastado as epidemias graves. Todo sofrimento é fruto da ignorância e também teimosia em repetir os erros.
A medida que o homem evolui o sofrimento diminui assim como na escola as lições rareiam quando o aluno já está pronto. Os renascimentos na carne são níveis escolares do espírito em ascensão que quando aprende todas as lições da vida, não precisará mais reencarnar.


A fé na Grandeza Divina nos dá certeza que tudo teremos no futuro. Deus nos dá tempo para amadurecer e sabe que quando atigirmos esta maturação, saberemos por nós mesmos, o que é bom para nós.


Mestre Jesus veio nos trazer uma fórmula mágica para evitar futuros sofrimentos : " Amai-vos uns aos outros e fazeis ao próximo o que queres que vos façam"


Fiquem na paz e no amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário