quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Forças Mentais

Amigos:

Tendes observado os poderes do
pensamento.

Exibições vivas. Demonstrações e
estudos.

Não nos iludamos quanto à necessidade do burilamento
ritual' espiritual, em se tratando de realizações coletivas, para conquistarmos na Terra o domínio dessas forças.

Consideremos que por agora, no Plano Físico, somos
criaturas nem sempre harmoniosamente afinadas umas com as outras.

Se milhares de
inteligências se unirem na atualidade, numa faixa única de sintonia, sem o aperfeiçoamento a que nos reportamos, o que seria das comunidades terrestres se as projeções de energia mental concentradas se fixassem nos assuntos de hegemonia ou destruição?

O ensinamento de que se nos clareia o raciocínio atinge por analogia os nossos problemas de intercâmbio, entre os dois lados da vida.


Vejamos o assunto entre as
criaturas na experiência física e aquelas outras que as ocorrências da morte situam no Mais Além, todas elas no mesmo gabarito sentimental.

Como reclamar segurança e
ordem, paz e harmonia entre os dois planos, se rito, espíritos imperfeitos, que ainda somos, viéssemos a usar o expediente a que nos referimos, a fim de provocar manifestações e pronunciamentos, em regime de urgência, unicamente atendendo a critérios pessoais?

Aqui, entra o impositivo de nos ajustarmos à
força disciplinadora da religião.

Se nos propomos a manejar, com proveito, os recursos do
pensamento, é preciso que a oração nos controle os impulsos para que o rito' espírito de utilidade se nos sobreponha à vocação para o tumulto.

Sem a idéia de D
eus e sem a prática do serviço desinteressado ao próximo, não nos será possível sintonizar integralmente as forças da vida com a Lei do Eterno Bem.

Pensemos com base no
amor – no amor que Jesus nos ensinou – e teremos a chave que nos descerrará o caminho da elevação para a felicidade comunitária no Grande Amanhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário