domingo, 27 de novembro de 2011

O que ensina o Espiritismo



                  O que ensina o Espiritismo


O Espiritismo nos abre o santuário do conhecimento


“A finalidade essencial do Espiritismo é o melhoramento das criaturas.”-
Allan Kardec. 


Sem falarmos nos notáveis ensinamentos morais oferecidos pelo Espiritismo, ele nos leva, ainda, a consideráveis resultados. Por tudo que faz pela Humanidade não é exagero dizer que a Doutrina Espírita constitui-se na maior bênção dos Céus vertida para a Terra, pela bondade de Deus. Portanto, não é sem motivo que Jesus o profetizou, mencionando o advento do Consolador para o futuro. Pois bem, em agosto de 1865, no ano VIII da Revue Spirite, Allan Kardec trouxe a lume uma publicação [1], que realça muito bem nossa assertiva, na qual relatava: “Há criaturas que perguntam quais são as conquistas novas que devemos ao Espiritismo. Desde que não dotou o mundo com uma nova indústria produtiva, como o vapor, concluem que nada produziu... Já numa outra ordem de ideias, alguns acham a marcha do Espiritismo muito lenta para o grau de sua impaciência. Admiram-se de que ainda não tenha sondado todos os mistérios da Natureza, nem abordado todas as questões que parecem ser de sua alçada; queriam vê-lo diariamente ensinar coisas novas, ou enriquecer-se com alguma descoberta. E, desde que ainda não resolveu a questão da origem dos seres, do princípio e do fim das coisas, da essência divina e quejandos, concluem que não saiu do a, b, c e que ainda não entrou na verdadeira via filosófica, e se arrasta nos lugares comuns, porque prega incessantemente a humildade e a caridade. Dizem eles: ‘Até hoje nada de novo nos ensinaram, porque a reencarnação, a negação das penas eternas, a imortalidade da Alma, a gradação através de períodos da vitalidade intelectual, o perispírito não são descobertas espíritas propriamente ditas; então, é preciso marchar para descobertas mais verdadeiras e sólidas’.”

“A tal respeito julgamos dever apresentar algumas observações, que também não serão novidades; mas há coisas que devem ser repetidas por formas diversas: É verdade que o Espiritismo nada inventou de tudo isto, porque não há verdades senão as que são eternas e que, por isso mesmo, devem ter germinado em todas as épocas. Mas não é alguma coisa havê-las tirado, senão do nada, ao menos do esquecimento; de um germe ter feito uma planta vivaz; de uma ideia individual, perdida na noite dos tempos, ou abafada pelos preconceitos, ter feito uma crença geral; ter provado o que estava em estado de hipótese; ter demonstrado a existência de uma lei no que parecia excepcional e fortuito; de uma teoria vaga ter feito uma coisa prática; de uma ideia improdutiva ter tirado aplicações úteis? Realmente é verdadeiro o provérbio: ‘Nada de novo debaixo do Sol’. Assim, não há descoberta da qual não se encontrem, nalguma parte, vestígios e o princípio. Por conta disto, Copérnico não teria o mérito de seu sistema, porque o movimento da Terra tinha sido suspeitado antes da era cristã. Se era coisa tão simples, então, era preciso encontrá-la. A história do ovo de Colombo será sempre uma eterna verdade. Além disso, é incontestável que o Espiritismo ainda tem muito a nos ensinar. É o que incessantemente temos repetido, pois jamais pretendemos que ele tenha dito a última palavra. Mas, do que ainda resta a fazer, segue-se que ainda não tenha saído do a, b, c? Seu a, b, c foram as mesas girantes; e, desde então, ao que nos parece, tem dado alguns passos; parece mesmo que tais passos foram grandes em alguns anos, se o compararmos às outras ciências que levaram séculos para chegar ao ponto em que estão. Mas, em falta de novas descobertas, os homens de ciência nada terão a fazer? A química não será mais química se diariamente não descobrir novos corpos? Os astrônomos serão condenados a cruzar os braços por não encontrarem novos planetas? E assim em todos os ramos das ciências e das indústrias. 

Cabe a Deus dirigir o ensino de seus mensageiros

“Antes de procurar coisas novas, não se tem que fazer aplicação daquilo que se sabe? É precisamente para dar aos homens tempo de assimilar, aplicar e difundir o que sabem, que a Providência põe um compasso de espera na marcha para a frente. Aí está a História para nos mostrar que as ciências não seguem uma marcha ascendente contínua, ao menos ostensivamente. Os grandes movimentos que revolucionam uma ideia só se operam em intervalos mais ou menos distanciados. Por isto não há estagnação, mas elaboração, aplicação e frutificação daquilo que se sabe, o que sempre é progresso... 

“Poderia o Espírito humano absorver incessantemente novas ideias? A própria terra não necessita de um tempo de repouso antes de produzir? Que diriam de um professor que diariamente ensinasse novas regras aos seus alunos, sem lhes dar tempo para se exercitar nas que aprenderam, de com elas se identificar e de aplicá-las? Em todas as coisas as ideias novas devem encaixar-se nas ideias adquiridas. Se estas não forem suficientemente elaboradas e consolidadas no cérebro, se o Espírito não as assimilou, as que aí se querem implantar não criam raízes: semeia-se no vazio. Pois bem! Dá-se o mesmo com relação ao Espiritismo. Os adeptos de tal modo aproveitaram o que ele ensinou que nada mais tenham a fazer? São de tal modo caridosos, desprovidos de orgulho, desinteressados, benevolentes para os seus semelhantes; moderaram tanto as suas paixões, abjuraram o ódio, a inveja e o ciúme; enfim, são tão perfeitos que de agora em diante seja supérfluo pregar-lhes a caridade, a humildade, a abnegação, numa palavra, a moral? Essa pretensão, por si só, provaria quanto ainda necessitam dessas lições elementares, que alguns consideram fastidiosas e pueris.

“O Espiritismo tende para a regeneração da Humanidade: isto é um fato positivo. Ora, não podendo essa regeneração operar-se senão pelo progresso moral, daí resulta que seu objetivo essencial, providencial, é o melhoramento de cada um. Os mistérios que nos pode revelar são o acessório, porque nos abre o santuário de todos os conhecimentos. Adiantamos à medida que nos melhoramos. É, pois, no seu melhoramento individual que todo espírita sincero deve trabalhar, antes de tudo. Só aquele que dominou suas más inclinações aproveitou realmente o Espiritismo e receberá a sua recompensa. É por isto que os bons Espíritos, por ordem expressa de Deus, multiplicam suas instruções e as repetem à sociedade. Só Deus sabe quando aquelas serão úteis e só a Ele cabe dirigir o ensino de Seus mensageiros e de proporcioná-lo ao nosso adiantamento. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário