sábado, 26 de novembro de 2011

Disciplinai o Espírito

Disciplinai o Espírito

Filhos, cogitando das coisas maiores, não vos descureis daquelas que considerais insignificantes.
A grande árvore se origina de minúscula semente.
O mais alto edifício não se levanta sem o concurso de anônimas pedras de alicerce.
O rio caudaloso é a somatória de humildes filetes d’água.
Nada, quando nasce, surge em sua forma definitiva.
Tudo parte de um pequeno ponto e, através do tempo, ocupa o espaço que lhe está determinado pelas leis do Universo.
Sedimentai-vos na experiência que vos habilita para compromissos de maior envergadura.
Disciplinai o rito' espírito nas tarefas que, quase sempre, são desprezadas por quantos lhes desconhecem o valor no fortalecimento da vontade.
Quando alguém se encontra apto para cumprir obrigações de ordem mais elevada, a própria Vida se encarrega de lhas confiar através das circunstâncias que o requisitam.
Quando o homem não consegue ser o que é, onde está, inútil que ele tente ser mais, onde quer que esteja.
Quem não prova fidelidade nos encargos menores não se desincumbe com êxito daqueles cuja importância exige maior persistência e noção de responsabilidade.
Filhos, as atividades humildes da casa espírita são a vossa garantia de paz e equilíbrio íntimo. Dentro dela, não aspireis a nada além do que seja servir, sem que vos entregueis às discussões que costumam inutilizar as vossas oportunidades de ascese ritual' espiritual.
Silenciai os vossos rancores e considerai-vos os maiores necessitados, agradecendo ao Senhor a bênção do serviço espírita em que vos refugiais da tentação.
Demorai-vos mais longo tempo nas tarefas de assistência, antes que cogiteis daquelas que vos tornam alvo preferencial dos desafetos da Doutrina. E orai pelos companheiros de ideal que, na linha de frente do combate, tantas vezes tombam, alvejados pelos dardos ensandecidos das trevas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário