segunda-feira, 28 de novembro de 2011

As profecias acontecem em,,,,,,,,,,,

As profecias acontecem em
 um presente para um
futuro incerto



As profecias não são de fatos definitivos, pois, por nosso livre-arbítrio, eles podem ser alterados. Realmente, a profecia é como se fosse uma hipótese, e não uma coisa certa e definitiva. Em o Novo Testamento, percebe-se um esforço dos autores para adaptarem alguns de seus fatos às profecias do Velho Testamento.

O sincronismo junguiano trata das coisas que acontecem ao mesmo tempo. Por exemplo: dois relógios marcando a mesma hora. Com as profecias ocorre o contrário, pois elas são a visão de fatos por um médium vidente (1 Samuel 9:9), os quais ocorrem em um tempo diferente do momento em que elas são feitas. Dizendo de outro modo, as profecias são a percepção de acontecimentos que ocorrerão no futuro. Mas elas têm suas causas num tempo presente ou num passado trazido para o presente em que elas são proferidas.

E elas podem não se realizar ou se realizam de modo diferente, pois elas estão sujeitas à chamada lei de causa e efeito, que é uma lei cósmica sagrada, que funciona em consonância com este dito bíblico e universal: colhe-se o que se planta, que consta de todas as escrituras sagradas de todas as religiões. Mas como ensina São Pedro e outros autores bíblicos, uma boa ação encobre multidão de pecados (1 Pedro 4:8). Esse ensino quer dizer que a prática do amor ou do bem faz um contrapeso com as nossas faltas que prejudicam o nosso semelhante e, por consequência, também a nós. Num determinado momento, pelas circunstâncias no presente, um médium vidente (1 Samuel 9:9) ou profeta pode ver os efeitos de sofrimento ou de recompensa provenientes dessas circunstâncias do presente. Mas elas poderão ser suavizadas ou até anuladas totalmente, dependendo do comportamento de uma pessoa ou de um povo antes que elas devam acontecer no futuro. Assim, pois, se o médium ou profeta vir a desdita de uma pessoa ou povo para o futuro, é porque essa pessoa ou povo, naquele momento presente, merece realmente o sofrimento e a dor no futuro. Porém, pode acontecer o contrário, o médium ou profeta, presenciando as boas ações de um indivíduo ou de um povo, é levado a prever um futuro venturoso para tal indivíduo ou tal povo, o qual, porém, pode se modificar também.

Jesus, vendo a perversão dos judeus, seus contemporâneos, disse que a rainha de Sabá (do Sul) mais os habitantes de Nínive se levantariam, isto é, se reencarnariam, na época do Juízo Final, e condenariam aquela geração (Mateus 12:38 a 42; e Lucas 11: 29-32). Mas, porque a misericórdia divina não cessa jamais, aquela geração má poderia regenerar-se com boas obras, enquanto não viesse o Juízo Final, e mudar, pois, o seu destino. Aliás, a reencarnação é para isso mesmo, e “não há um dia como um depois do outro!”.   

No livro “Não será em 2012”, da médica Marlene Nobre e de Geraldo Lemos, é dito que Chico Xavier fala de fatos que lembram o final dos tempos, não para 2012, mas para 2019, com ou sem guerra, dependendo da escolha (livre-arbítrio) da humanidade, mas fala isso de modo comedido e sem determinismo.

E Jesus, que foi o maior profeta que já existiu na Terra, prudente e sabiamente, se recusou a profetizar quando seria o final dos tempos (Mateus 21:27), dizendo que só Deus, o Pai, o sabia! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário