domingo, 27 de novembro de 2011

O Espiritismo como remédio

                O Espiritismo como remédio eficaz para a boa saúde de nossa sociedade!

Os constantes acontecimentos que diariamente explodem como uma bomba destruidora na imprensa falada, escrita e televisada, mantêm a população do nosso país, particularmente de nosso Estado do Rio de Janeiro, em estado permanente de preocupação e medo. Essa situação anormal que ora vivenciamos, muito tem-nos levado a refletir o quanto precisa ser feito por cada um de nós cidadãos brasileiros e em particular nós, fluminenses, para reverter este triste quadro de selvageria.

O Espiritismo vem-nos esclarecer sobre esse difícil momento de turbulência que envergonha a nossa sociedade tida por civilizada, conclamando-nos ao exercício da vivência e divulgação dos postulados contidos na codificação de nossa doutrina, difundindo a prática da caridade e do amor ao próximo, como sendo os únicos meios eficazes para uma mudança de postura visando tornar o cidadão consciente das suas responsabilidades e dos seus deveres para com o próximo e para com Deus.

Para tanto, é imprescindível o esclarecimento através da divulgação do Evangelho de Jesus, em nossas casas espíritas, propiciando situações reais de contribuição para a virada de postura de nossa sociedade, preparando equipes destinadas a essa nobre atividade, iniciando imediatamente um movimento sério e profundo de evangelização dos pais, ou responsáveis, crianças e jovens do nosso conhecimento, convocando as famílias a levarem seus filhos e seus conhecidos à casa espírita.

Enquanto o homem continuar sendo levado pela antiga visão arcaica e equivocada a crer que a sua vida é única e curta, e, que deve viver como se nada mais existisse após o momento da sua morte, permanecerá ele com os mesmos procedimentos de desrespeito, promovendo desordem e pouco se incomodando com o bem-estar de seu semelhante e da sociedade de que faz parte, dando toda importância somente às coisas materiais, sem a menor preocupação com o seu lado espiritual esquecido e desprezado.

O Espiritismo precisa ser muito mais divulgado do que até hoje tem sido, pois sua mensagem de confiança e certeza na vida futura, que não se finda com a simples morte do corpo físico, muito pode contribuir para a modificação do pensamento equivocado de muitos desses causadores de tragédias e desgraças, pois saberão que terão de prestar contas de todos os seus atos de desrespeito e selvageria, cometidos contra seu irmão em humanidade, na continuidade da vida que não se extingue.

São os Imortais da Vida Maior que nos afirmam em O Livro dos Espíritos que o bem é muito pouco propagado e, conseqüentemente, o mal impera por absoluta falta de empenho e ousadia dos poucos que o praticam em sua divulgação, conforme segue.

932. Por que, no mundo, tão amiúde, a influência dos maus sobrepuja a dos bons?

“Por fraqueza destes. Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando estes o quiserem, preponderarão.”

933. Assim como, quase sempre, é o homem o causador de seus sofrimentos materiais, também o será de seus sofrimentos morais?

“Mais ainda, porque os sofrimentos materiais algumas vezes independem da vontade; mas o orgulho ferido, a ambição frustrada, a ansiedade da avareza, a inveja, o ciúme, todas as paixões, numa palavra, são torturas da alma.

“A inveja e o ciúme! Felizes os que desconhecem estes dois vermes roedores! Para aquele que a inveja e o ciúme atacam, não há calma nem repouso possíveis. À sua frente, como fantasmas que lhe não dão tréguas e o perseguem até durante o sono, se levantam os objetos de sua cobiça, do seu ódio, do seu despeito. O invejoso e o ciumento vivem ardendo em contínua febre. Será essa uma situação desejável e não compreendeis que, com as suas paixões, o homem cria para si mesmo suplícios voluntários, tornando-se-lhe a Terra verdadeiro inferno?

“Muitas expressões pintam energicamente o efeito de certas paixões. Diz-se: ímpar de orgulho, morrer de inveja, secar de ciúme ou de despeito, não comer nem beber de ciúmes etc. Este quadro é sumamente real. Acontece até não ter o ciúme objeto determinado. Há pessoas ciumentas, por natureza, de tudo o que se eleva, de tudo o que sai da craveira vulgar, embora nenhum interesse direto tenham, mas unicamente porque não podem conseguir outro tanto. Ofusca-as tudo o que lhes parece estar acima do horizonte e, se constituíssem maioria na sociedade, trabalhariam para reduzir tudo ao nível em que se acham. É o ciúme aliado à mediocridade.

“De ordinário, o homem só é infeliz pela importância que liga às coisas deste mundo.

“Fazem-lhe a infelicidade a vaidade, a ambição e a cobiça desiludidas. Se se colocar fora do círculo acanhado da vida material, se elevar seus pensamentos para o infinito, que é seu destino, mesquinhas e pueris lhe parecerão as vicissitudes da Humanidade, como o são as tristezas da criança que se aflige pela perda de um brinquedo que resumia a sua felicidade suprema.

“Aquele que só vê felicidade na satisfação do orgulho e dos apetites grosseiros é infeliz, desde que não os possa satisfazer, ao passo que aquele que nada pede ao supérfluo é feliz com os que outros consideram calamidades.

“Referimo-nos ao homem civilizado, porquanto o selvagem, sendo mais limitadas as suas necessidades, não tem os mesmos motivos de cobiça e de angústias. Diversa é a sua maneira de ver as coisas. Como civilizado, o homem raciocina sobre a sua infelicidade e a analisa. Por isso é que esta o fere. Mas, também, lhe é facultado raciocinar sobre os meios de obter consolação e de analisá-los. Essa consolação ele a encontra no sentimento cristão, que lhe dá a esperança de melhor futuro, e no Espiritismo que lhe dá a certeza desse futuro.”¹

“Ah! meus amigos, se conhecêsseis todos os laços que prendem a vossa vida atual às vossas existências anteriores; se pudésseis apanhar num golpe de vista a imensidade das relações que ligam uns aos outros os seres, para o efeito de um progresso mútuo, admiraríeis muito mais a sabedoria e a bondade do Criador, que vos concede reviver para chegardes a ele. – Guia protetor.” (Sens, 1862.) ²

Não mais podemos esperar que as coisas aconteçam como por encanto, está mais que na hora de deixarmos nossa conhecida postura de acomodação e sairmos em campo, enfrentando com disposição e confiança as dificuldades e empeços que nos surgirão, patrocinados pelos que não querem o desenvolvimento da mensagem espírita, por ignorância de seu conteúdo ou por interesses escusos, divulgando por todos os meios que nos forem possíveis, de forma fiel ao contido nas obras da codificação, começando de imediato a efetuar a tarefa que está reservada ao Espiritismo de transformação da humanidade através da implantação do Evangelho no coração do homem, que espera por nossa boa vontade e determinação.

Que o Mestre de Nazaré nos inspire e fortaleça nesse desafio e nos sustente com sua paz, hoje e sempre. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário