domingo, 27 de novembro de 2011

Ante os tempos modernos

Ante os tempos modernos  


O título que damos a este artigo não é nosso, é do Espírito Emmanuel, orientador do médium Francisco Cândido Xavier, ao escrever por seu intermédio o prefácio do livro MISSIONÁRIOS DA LUZ, de autoria do Espírito André Luiz.

Sendo o livro de valiosos e importantes ensinamentos para a humanidade, Emmanuel serve-se do seu prefácio para alertar os seus leitores sobre as responsabilidades que pesam sobre todos, nesta fase de transformações por que passa a Terra. Ele, como amigo da humanidade e que tanto tem feito em seu favor, nos adverte: (...) “Os corações, ainda tenros, amam o sonho, aguardam heroísmo fácil, estimam o menor esforço, não entendem, de pronto, o lavor divino da perfeição eterna e, por isso, afastam-se do ensinamento real, admirados, espantadiços. A vida, porém, espera-os com as suas leis imutáveis e revela-lhes a verdade, gradativamente, sem ruídos espetaculares, com serenidade de mãe. (...) Enquanto os Espíritos Sábios e Benevolentes trazem a visão celeste, alargando o campo das esperanças humanas, todos os companheiros encarnados nos ouvem, estáticos, venturosos. É a consolação sublime, o conforto desejado. Congregam-se os corações para receber as mensagens do céu. Mas, se os emissários do plano superior revelam alguns ângulos da vida espiritual, falando-lhes do trabalho, do esforço próprio, da responsabilidade pessoal, da luta edificante, do estudo necessário, do autoaperfeiçoamento, não ocultam a desagradável impressão”.

Mais adiante, realçando a lição do mérito próprio, ele continua: “(...) Ao invés do paraíso próximo, sentem-se às vizinhanças de uma oficina incansável, onde o trabalhador não se elevará pela mão beijada do protecionismo e sim à custa de si mesmo, para que deva à própria consciência a vitória ou a derrota”. Continua ele: “(...) Ao Espiritismo cristão cabe, atualmente, no mundo, grandiosa e sublime tarefa. Não basta definir-lhe a característica venerável de Consolador da Humanidade, é preciso também revelar-lhe a feição de movimento libertador de consciências e corações”.

Isso tudo e muito mais para introduzir o estudioso a conhecer o trabalho incansável desenvolvido pelos bons Espíritos, verdadeiros missionários divinos, em favor da humanidade sofredora.

Emociona-nos constatar com que dedicação ensinam e relatam como trabalham, ajudando sem alarde e sem nenhum interesse de ordem pessoal.

No capitulo II, André Luiz descreve os estudos ministrados por Alexandre, Espírito Orientador, de teor moral e científico sobre a discutida função da epífise, glândula deveras importante não só nas suas atribuições do controle sexual no período infantil para perder a sua função posteriormente, mas é a glândula da vida mental.

No trato da mediunidade encontramos preciosos ensinamentos sobre temas como: Desenvolvimento Mediúnico, Vampirismo, Influenciação, Socorro Espiritual, No plano dos Sonhos, Mediunidade e Fenômeno, Materialização e muitos outros, todos de muita importância para o estudioso interessado em conhecer mais sobre o Espiritismo.

Ele, André Luiz, demonstra com exemplos vivos como se realiza a proteção espiritual às reuniões mediúnicas, no socorro aos seus participantes encarnados e desencarnados.

Pelas informações práticas e teóricas trazidas por Alexandre, podemos constatar a importância das reuniões mediúnicas nos Centros Espíritas, chamando a atenção para a responsabilidade dos que dela participam, para que os resultados alcançados sejam os mais produtivos possíveis.

O livro, no seu todo, é um verdadeiro repositório de ensinamentos de alto alcance que precisam ser conhecidos por todos os que já despertaram para o desejo de conhecer e buscar a verdade de tudo o que acontece para todos após o desenlace do corpo físico.

Esta obra de André Luiz recorda-nos ensinamentos já relatados, sucintamente, por Kardec na obra básica da doutrina e agora, ante os tempos modernos, com maior desenvoltura e facilidade para sua compreensão e entendimento.

No momento atual, quando já melhor preparados, quando já iniciamos interesse pelos assuntos transcendentais, os Espíritos encarregados de colaborarem com o progresso dos encarnados retornam através da mediunidade para minudenciar com maiores detalhes tudo o que já nos trouxe Allan Kardec na obra da codificação.

No capítulo final, Alexandre, ao se despedir dos amigos, Espíritos desencarnados, para prosseguir estudos em outro plano mais elevado, exorta-os à continuidade do trabalho em favor da humanidade ainda carente de seguras orientações para que a transição do planeta Terra possa acontecer sem maiores sofrimentos e que muitos mais tenham a oportunidade de melhor aproveitarem a atual existência planetária, preciosa dádiva de Deus. 

Ao lermos este último capítulo, percebemos que as orientações de Alexandre não se destinam apenas aos desencarnados, concita ele também a nós encarnados ao trabalho, ao estudo e à dedicação para com todos os companheiros, amigos e irmãos com quem convivemos e ainda equivocados com o apego à vida material, para que juntos trabalhemos pela própria transformação moral, embora seja necessário, para a sua realização, luta persistente e continua, pois só assim nos capacitaremos à própria felicidade futura.


Nenhum comentário:

Postar um comentário