sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

OS ESPÍRITOS E OS ASTROS

OS ESPÍRITOS E OS ASTROS
Irmão Saulo
Nas sessões mediúnicas da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, dirigidas pelo próprio
Kardec, não se manifestavam apenas espíritos terrenos. Entidades pertencentes a outros mundos comunicavamse
dando curiosas informações sobre a vida no Cosmos. A coleção da Revista Espírita, correspondente ao
período em que Kardec a redigiu, durante quase doze anos, oferece-nos várias dessas comunicações. E mesmo
antes desse período, como vemos em O Livro dos Espíritos, o Codificador foi seguramente informado por
espíritos de evidente elevação sobre os diferentes graus de evolução dos mundos, as inumeráveis moradas da
Casa do Pai, segundo a conhecida expressão de Jesus registrada nos Evangelhos.
Episódio altamente significativo, menosprezado e ridicularizado pelos adversários da Doutrina,
foi o da comunicação de Mozart e Bernard Pallissy que se diziam reencarnados em Júpiter. Vários desenhos de
aspectos da vida em Júpiter foram transmitidos por esses dois espíritos, servindo de médium desenhista o famoso
teatrólogo Victorien Sardou que por sinal nunca se havia entregado a essa arte, para a qual não dispunha, em seu
estado normal, de nenhuma habilidade.
Segundo disseram esses espíritos, Marte seria o planeta mais inferior do nosso sistema solar e
Júpiter o mais elevado. As descrições mediúnicas de Marte nos oferecem uma visão do que podemos chamar o
Averno espírita, enquanto Júpiter se define como o Olimpo espírita. As pesquisas astronômicas posteriores e as
da Astronáutica em nossos dias não desmentem essas informações, no tocante ao que foi possível constatar até
agora. É verdade que também ainda não as confirmaram, mas sugerem a confirmação.
No caso de Marte os espíritos revelaram tratar-se de um planeta de precárias condições de vida,
habitado por criaturas sub-humanas e com vastas regiões de completa aridez. Essas condições estão hoje
positivadas pelas sondas espaciais, mas a existência de vida humana ainda não foi verificada. Continua,
entretanto, como possibilidade, pois Marte possui atmosfera e água.
No tocante a Júpiter os astrônomos constataram que se trata do maior planeta do sistema, apesar
disso extremamente leve. Chegou-se mesmo a formular a teoria de que Júpiter seria um pequeno planeta de
constituição sólida, mas envolvido por enorme camada de gás congelado. Essa hipótese corresponde à
informação espiritual de que Júpiter é de constituição diferente da Terra, formado por matéria rarefeita. Daí a sua
extrema leveza, apesar de seu grande volume. A população de Júpiter, segundo os espíritos, seria constituída de
corpos materiais bastante leves, equivalendo ao nosso corpo espiritual.
Kardec registrou essas informações e considerou-as lógicas, mas lembrou que a aceitação das
mesmas como reais dependeria de investigações futuras, naturalmente a cargo dos astrônomos, pois o assunto
não pertence especificamente à Ciência Espírita, cujo objeto é o espírito humano e suas relações com os homens.
O critério científico de Kardec na pesquisa espírita ficou mais uma vez bem patente com esse curioso episódio.
Hoje, com o desenvolvimento acelerado das pesquisas cósmicas, a Astronáutica é a Ciência
incumbida desse problema. E a teoria espírita da pluralidade dos mundos habitados que o astrônomo Camille
Flammarion, também médium de Kardec, aprovou corajosamente, já se tornou opinião pacifica nos meios
científicos. Pouco a pouco vão se fazendo as provas da existência de vida semelhante à da Terra em outros
mundos e outras galáxias.
O Espiritismo considera o homem como um herdeiro do Cosmos. Seu destino não é apenas a
Terra, durante a vida orgânica, e o mundo espiritual depois da morte. As Moradas da Casa do Pai o aguardam no
Infinito. Por isso a expansão marítima do século XVI começa agora a ser ampliada com a expansão celeste.
Novas Sagres se instalaram na Terra e as proas de suas naves não apontam para a imensidade oceânica mas para
a infinitude dos céus. Vamos descobrir as terras estelares, como os navegantes portugueses e espanhóis
descobriram no seu tempo as terras oceânicas.
Ao lado da Astronáutica material, porém, existe a Astronáutica espiritual. Os homens não
avançam no espaço cósmico tão somente em naves construídas de metal. Avançam em seus escafandros
espirituais, em astronaves etéreas. São as almas viajoras de que falava Plotino, o sucessor de Platão na era
helenística. Emigram de um mundo para outro no Cosmos, da mesma forma que emigram entre os continentes na
Terra.
Por duas maneiras, portanto, o Espiritismo nos abre as sendas do Infinito. A evolução terrena
equipa o homem para a conquista material dos mundos de constituição semelhante à da Terra. A evolução
espiritual equipa o espírito para a conquista dos mundos de constituição fluídica ou etérea. O homem, espírito
encarnado, pode ser um astronauta do Cosmos físico, num raio de ação limitado pelas possibilidades materiais. O
espírito, homem desencarnado, é naturalmente um astronauta do Além, dispondo de possibilidades infinitas em
suas incursões pelo Cosmos etéreo.
A alma viajora de Plotino, que errava nas hipóstases do universo terreno, elevando-se aos
planos espirituais com a morte e voltando ao plano terreno com a reencarnação, adquire no Espiritismo um
alcance infinito em suas migrações.
Bastaria esse aspecto da Doutrina para nos mostrar a sua plena integração na Era Cósmica.
Neste livro não há comunicações sobre outros mundos. Estamos ainda muito empenhados em nossos problemas
planetários que precisamos solucionar no âmbito doméstico da Terra, para cuidar de questões mais amplas. Mas
nem por isso os espíritos comunicantes deixam de ser astronautas do Além, pois descem das hipóstases do
universo terreno, ou seja, dos mundos espirituais que circundam o nosso planeta, para nos trazerem as
mensagens de fraternidade de outros mundos.
Essa a razão do título escolhido para este volume. Somos todos, na verdade, Astronautas do
Além. Se estamos hoje no Aquém, imantados ao solo do planeta, é porque ainda nos encontramos na Escola de
Sagres do Infinito, sujeitando-nos aos cursos de preparação necessários ao controle futuro das viagens espaciais.
E essa preparação abrange as técnicas diferenciadas, mas não obstante conjugadas da Astronáutica física e da
Astronáutica celeste. O desenvolvimento das faculdades psíquicas do homem se acelera em nossos dias porque a
Era Cósmica já se iniciou. Os fenômenos paranormais de que trata a Parapsicologia constituem o equipamento
etéreo dos astronautas físicos, pois sem a telepatia, a precognição, a retrocognição e a clarividência, nossos
astronautas estarão sempre ameaçados pelas surpresas do meio cósmico.
Os fenômenos para-normais nada mais são do que os fenômenos mediúnicos. Não existe um
campo específico de fenômenos parapsicológicos. Os verdadeiros parapsicólogos não criam problemas com
referência ao Espiritismo, pois sabem muito bem que estão trabalhando em campo espírita. Só os falsos
parapsicólogos, em geral incapazes de compreender a ciência que dizem cultivar e pretendem ensinar,
estabelecem um conflito imaginário entre Parapsicologia e Espiritismo. Sofrem da cegueira mental do sectarismo
ou de incompetência intelectual. São os beneficiários do preconceito cultural e religioso que impede até agora as
nossas Universidades de acertarem o passo dos seus currículos estreitos com as dimensões maiores dos
currículos mundiais, Vivem parasitando a ignorância acadêmica e sugando impunemente a ignorância popular,
desarmada diante do assalto vampiresco à sua ingenuidade.
Este livro prova, em seus vários capítulos, que refletem a vivência real da mediunidade em
nossa terra, que os fatos mediúnicos são a matéria prima da pesquisa parapsicológica. Dispomos de uma tradição
de mais de um século nesse terreno, mas os nossos meios universitários preferem marcar passo na retaguarda da
cultura mundial, franqueando aos incompetentes e aos espertalhões os poderosos filões mediúnicos das nossas
camadas populares.
O material reunido neste volume corresponde ao período que vai de 14 de janeiro de 1973 a 21
de julho de 1973 na divulgação,o das mensagens psicográficas recebidas pelo médium Francisco Cândido
Xavier, seguidas dos comentários de Irmão Saulo, pseudônimo de que nos servimos para a publicação de
crônicas espíritas na imprensa, há mais de um quarto de século. Com este são três os volumes já publicados,
sendo os dois anteriores os seguintes: Chico Xavier Pede Licença e Na Era do Espírito.
Esses volumes documentam de maneira viva a atividade mediúnica de Francisco Cândido
Xavier e seu relacionamento direto com a vida do nosso povo. As explicações do próprio médium sobre as
condições e as motivações da recepção dessas mensagens constituem valioso material de estudo para todos os
que realmente se interessam pelos problemas espirituais.
J. HERCULANO PIRES
São Paulo, 3 de outubro de 1973.
Do livro "Astronautas do Além", de Francisco Cândido Xavier e J.Herculano Pires - Espíritos
diversos

Nenhum comentário:

Postar um comentário