domingo, 22 de abril de 2012

Ao redor do dinheiro


Ao redor do dinheiro
Efetivamente, perante a visão da Esfera Espiritual, o homem afortunado na
Terra surge sempre à feição de alguém que enorme risco ameaça.
Operários da evolução, a quem se confiou a mordomia do ouro, aqueles
que detêm a finança comum afiguram-se-nos companheiros constantemente
afrontados pelas perspectivas de desastre iminente, assim como os
responsáveis pela condução da energia elétrica, em contacto com agentes de
alta tensão, ou, ainda, como os especialistas de laboratório, quando impelidos
a manusear certa classe de vírus ou de venenos, com vistas à preservação e ao
benefício do povo.
Considerando, porém, as inconveniências e desvantagens que assinalam a
luta dos que foram chamados a transportar semelhantes cruzes amoedadas, é
forçoso convir que o coração voltado para Jesus pode sustentar-se, nesse
círculo de incessantes inquietações, na tarefa sublime da paz e da luz, da
ascensão e da liberdade.
Isso porque, se o dinheiro nas garras da usura pode agravar os flagícios
da orfandade e os tormentos da viuvez, nas mãos justas do bem converte o
pauperismo em trabalho e o sofrimento em educação.
Se a riqueza entesourada sem o lucro de todos pode gerar o colapso do
progresso, o centavo movimentado ao impulso da caridade é o avivamento do
amor na Terra, por transformar-se, a cada minuto, no remédio ao enfermo
necessitado, no livro renovador das vítimas do desânimo, no teto endereçado
aos que vagueiam sem rumo e na gota de leite que tonifica o corpo subnutrido
da criancinha sem lar.
Ninguém tema, desse modo, a grave responsabilidade da posse efêmera
entre as criaturas humanas, mas que toda propriedade seja por nós recebida
como empréstimo santo, cujos benefícios é preciso estender em proveito geral,
atentos à lei de que a felicidade só é verdadeira felicidade quando respira na
construção da felicidade devida aos outros.
Assim, pois, compreendamos, com a segurança da lógica e com a
harmonia da sensatez, que, em verdade, não se pode servir a Deus e a
Mamon, mas que é nossa obrigação das mais simples colocar Mamon a
serviço de Deus.
RELIGIÃO DOS ESPÍRITOS
Francisco Cândido Xavier
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

Nenhum comentário:

Postar um comentário