quinta-feira, 25 de julho de 2013

O ponto de vista

O ponto de vista

As maiores vulnerabilidades do ser humano provêm da inconsciência de sua natureza espiritual. Ainda que intelectualmente quase todos nós acreditemos numa vida espiritual, e ainda que abracemos crenças religiosas e tenhamos vivido e testemunhado experiências concretas que evidenciem realidades transcendentes, na prática, o ponto de vista dominante ainda é o de seres terrestres que, em sua maioria, apenas intuem ou aceitam a dimensão espiritual, focando-a principalmente no cenário pós-morte. Há nesse ponto de vista uma distorção grave e mesmo pandêmica, posto que somos essencialmente Espíritos infinitos numa passagem fugaz pela vida corporal. É esse espírito imaterial e infinito que pensa, sente, intui e age dentro das limitações de um corpo físico perecível, e não o contrário. Inquietudes, tormentos e angústias sem-fim decorrem dessa visão invertida.
O Evangelho segundo o Espiritismo, no capítulo II, item 5, aborda as agruras do homem que “concentra todos os seus pensamentos na vida terrena”, da seguinte forma:
“A perda do menor dos seus bens causa-lhe pungente mágoa. Um desengano, uma esperança perdida, uma ambição insatisfeita, uma injustiça de que for vítima, o orgulho ou a vaidade feridos, são tantos outros tormentos, que fazem sua vida uma angústia perpétua, pois que se entrega voluntariamente a uma verdadeira tortura de todos os instantes”.
Por estarmos imersos na vida material terrestre, estamos necessariamente submetidos aos impositivos biológicos e psicológicos próprios do aparelho carnal, voltado à manutenção da sobrevivência física no planeta e à interação social e afetiva com nossos companheiros de viagem. Pelo fato de essa passagem material ser significativamente complexa e desafiadora, estamos por ela de tal forma enredados e absorvidos que, muitas vezes, esquecemo-nos de nossa natureza essencial. É como se o Espírito, nessas circunstâncias, ao invés de encarnar num corpo físico, se deixasse ‘encarnar’ pelo corpo, abdicando desastrosamente de sua hegemonia e submetendo-se às contingências de uma realidade passageira.
O Espírito assim sufocado em suas aspirações e natural capacidade de aprender e evoluir manifesta uma ‘angústia perpétua’, com reflexos no corpo físicoque só será debelada quando esse mesmo Espírito reassumir a função de comando de sua saga encarnatória. O privar-se da plena utilização de suas potencialidades produz necessariamente sofrimento, o que é, em última análise, um desajuste, um pedido de socorro e um aviso benfazejo de que as coisas não estão funcionando de maneira adequada.
Mais uma vez, O Evangelho segundo o Espiritismo, no capítulo V, item 25, esclarece-nos:
“Sabeis por que uma vaga tristeza se apodera por vezes de vossos corações, e vos faz sentir a vida amarga? É o vosso Espírito que aspira à felicidade e à liberdade, mas, ligado ao corpo que lhe serve de prisão, se cansa em vãos esforços para escapar. E vendo que esses esforços são inúteis, cai no desânimo, fazendo o corpo sofrer sua influência, com languidez, o abatimento e uma espécie de apatia, que de vós se apoderam, tornando-vos infelizes”.
 As vicissitudes e as dificuldades da vida do encarnado não deveriam constituir desafios para o corpo físico, mas sim para o Espírito que, quando consciente e presente de maneira plena, tem acesso a recursos e informações, que proporcionam um enfrentamento saudável das mesmas, num autêntico exercício de aprendizado evolutivo.
Assim sendo, mantendo-se o Espírito ocluso e omisso, focado somente em questões terrenas, não haverá o enfrentamento devido, recaindo todo o problema sobre uma psique desarmada e sem as habilidades e possibilidades próprias do Espírito liberto que, consciente de sua natureza transcendental e mediúnica, trará à encarnação as inspirações e intuições do plano espiritual com todas as alegrias e regalos delas decorrentes. A psique, assim vulnerável, reflete no corpo físico seus desequilíbrios, que acabam por se manifestar em enfermidades e abatimentos próprios dessa desadequação. Pelo fato de estar focada no plano físico, inconsciente de sua natureza primordial, a psique torna-se um obstáculo à plenitude do Espírito e à ação saudável do mesmo sobre o corpo físico.
Essa habilidade mediúnica refere-se à interação espírito/corpo físico e está ao alcance de qualquer encarnado, diferindo, portanto, da chamada mediunidade ostensiva, destinada, esta sim, ao abençoado serviço mediúnico, especificamente voltado aos trabalhos de auxílio fraterno, praticados na seara de Jesus. Trata-se, portanto, da capacidade de perceber e lidar com as realidades que transcendem a matéria e do acesso intuitivo a conhecimentos próprios do plano espiritual, que trazem sentido à aventura da alma humana. Claro que o acesso a todo esse cabedal de conhecimentos só acontecerá de forma plena, quando seguido pelo esforço da reflexão, do estudo, e da aplicação prática dos mesmos na vida cotidiana, uma vez que na evolução espiritual não existe conhecimento real sem a experimentação prática do que se aprende, nem sem a transformação íntima correspondente. Para isso, encarnamos e reencarnamos.
É preciso, entretanto, estarmos abertos e receptivos a essa percepção intuitiva, rompendo a camada dos condicionamentos e das preocupações próprias da experiência material terrena, sejam elas atuais ou remanescentes de encarnações anteriores, que permanecem registradas e vivas em nossa memória inconsciente, influenciando-nos de forma significativa. Por se tratar de uma memória própria do nosso inconsciente, não nos damos conta do quanto ela nos afeta. Sobre essa influência, o nobre Espírito Joanna de Ângelis observa:
“A grande maioria dos atos e comportamentos humanos, na sua expressão mais volumosa, procede do inconsciente, sem a interferência da consciência lúcida”. (Do livro Em Busca da Verdade – Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo P. Franco.)
Para que o rompimento dessa camada de preocupações terrenas e condicionamentos inconscientes aconteçam, é preciso silenciar a mente aturdida, desviando a atenção consciente para além das tribulações terrenas, das memórias ressentidas e das tristezas indefinidas. Desse modo, o ato deliberado de isolar-se do burburinho do mundo e da mente e buscar-se o retorno consciente à realidade espiritual, intuitivamente percebida, será suficiente para dar início ao processo de reintegração com essa mesma realidade espiritual, dando assim abertura à manifestação da consciência lúcida que, sem a interferência confusa e alienante do mundo, trará o discernimento, para que se saiba distinguir o que é essencial e permanente daquilo que é aparente e transitório.
Joanna de Ângelis prossegue, em nosso auxílio, incitando-nos a essa investigação interna:
“O ser humano necessita de silêncio mental, de espaço físico para a autoidentificação, para o autodescobrimento”... “O silêncio íntimo, que permite ouvir-se a voz da consciência, é de alta relevância para uma existência feliz, porque permite saber-se o que realmente deseja produzir e como fazê-lo de maneira excelente.” (Do livroLiberta-te do Mal – Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo P. Franco.)
Jesus, em Sua divina sabedoria, exortou-nos, através de suas parábolas, a olharmos os lírios do campo e as aves do céu, a construirmos sobre a rocha e não sobre a areia, levando-nos com isso a considerar, no silêncio do coração, as manifestações esplendorosas da Força Criadora eterna, que transcende o mundo transitório e instável, e a não agirmos como o homem néscio, que armazenou suas colheitas em celeiros e descansou, esquecendo-se de que seu corpo mortal não poderia usufruir indefinidamente das riquezas materiais acumuladas, nem sobreviveria a todos esses tolos cuidados e preocupações terrenas.
Reflitamos, portanto: Qual tem sido nosso ‘ponto de vista’ em relação à nossa jornada terrestre?

Nenhum comentário:

Postar um comentário