terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Eu sou Um recado de Jesus para nossos corações


Eu sou Um recado de Jesus para nossos corações
Eu sou a manhã, a tarde e a noite.
Eu sou o sol, eu sou a luz.
Eu as lágrimas, o sorriso,.
Eu sou a depressão, eu sou a luz.
Eu sou cada vitória, cada derrota.
Eu sou aquele que fala tudo e, que se cala.
Eu sou o bisturi, Eu sou a sutura.
Eu sou a paz e eu sou a guerra.
Eu sou o calor frio, eu sou o calor.
Eu sou a fome, eu sou a plenitude.
Eu sou a fidelidade, eu sou a felonia, a traição,
Eu sou a calada da noite, também sou a transparência.
Eu sou o cão, como estou no asno.
Eu sou tua consciência em paz, ou pedindo socorro.
Eu sou criança e igualmente me apresento no idoso.
Eu sou o presidiário, ou que está eventualmente livre.
Eu sou o homem, sou a mulher, e posso estar em transição.
Eu sou o pecado e eu sou a remissão.
Eu sou a luta e eu sou o descanso.
Eu sou as estrelas e eu sou as nebulosas.
Eu sou aquele que te quer amar, mesmo que não queira.
Eu sou a caridade, mas suporto a indiferença.
Eu sou convidado do seus banquetes, mas me encontro nos asilos e
creche.
Eu sou que tem dá a opulência, como estou nas cavernas da dor.
Eu sou aquele que acata tua indisciplina, mas não te condeno.
Eu sou as sombras, pois estas só existem perante a luz que vem de ti.
Eu sou aquele que te dei a terra, como te darei o céu, com as mesmas
lágrimas nos olhos.
Eu sou a beleza do colibri, como a utilidade dos camarões e dos urubus.
Eu sou angústia, mas sou o alívio.
Eu sou a porta estreita, mas também posso ser a larga.
Eu sou aquele que sempre me esqueço, mas sempre lembro de ti.
Eu sou o caminho, mas quem escolhe teu caminho é você.
Eu sou a verdade, mas suporto com imenso amor a tua.
Eu sou a vida real, sem bem que queiras, e eu respeite tua vida
ilusória.
Eu sou o pão da vida, mas se desejares colher teus frutos, vá com minha
bênção.
Eu sou impessoal e imparcial, mas respeito tua individualidade e teus
valores.
Eu sou o alfa e o òmega, mas não te preocupes, está no alfabeto de meu
coração.
Eu sou tua lucidez, tua perdição, teu desequilíbrio, mas meus braços te
acolhem.
Eu sou provedor do berço e do túmulo, pois quero e desejo tua luz
perene.
Eu sou amor para o alcoolatra, assim como o sou para aqueles que não
bebem.
Eu sou o amigo dos drogadictos, assim como o sou dos libertos destes
vícios.
Eu sou teu pensamento, mas te deixo, quando pedes, com os teus.
Eu sou teu amigo, embora tenham me feito teu feitor.
Eu sou o erro necessário, mas sou o acerto que evolui o homem.
Eu sou o terráqueo, mas posso estar em outros orbes, pois tudo provêm
de mim.
Eu sou a tempestade que renova, mas sou o deserto que orienta.
Eu sou o trigo, mas sou o joio, pois todos estão na casa de meu pai, e
nela tem muitas moradas.
Eu sou o europeu, o beduíno, o índio, o aborígene, pois sou amor por
igual.
Eu sou a cachoeira, como sua o serpentear de um rio, mas a tudo lavo
com minha misericórdia.
Eu os santos, as deidades, os anjos, os orixás, os guias ou mentores,
pois de mim só sairá compreensão infinita pelo teu diálogo comigo.
Eu sou a cruz, como estive no tronco, com cada um de meus filhos.
Eu sou meus filhos, negros, brancos, pardos, vermelhos.
Eu sou Monoteista ou polisteísta, pois os amo pelo que tentam acertar,
não pelas tuas pretensões da verdade.
Eu sou esta dimensão, mas estou em várias outras, pois meu amor é
adimensional.
Eu sou teu passado, teu presente e te espero no futuro, às luzes da
Ribalta, no recôndito do meu coração.
Eu não te condeno, muito embora saiba que teu coração permeie nas
ilusões da toga.
Eu sou a espada que sega a terra improdutiva, mas sou o adubo para os
corações que proliferam a luz e a paz para o porvir.
Eu sou a semente, mas sou o fruto, e te convido a desgustar tua parte
da paz de meu reino.
Por tudo isto te digo, querido filho, que a barca que escolheste para
ceifar a tua colheita está a meio caminho, mas jamais, em momento algum
te abandonei e, quando te sentiste cansado, te carreguei no colo e falei
em teu coração: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos,
e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que
sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas
almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. Mateus 11:28-30.
Eu sou teu amigo Jesus e sempre te aguardarei, pois teu lugar na ceia
de meu pai, está vago apenas aguardando que retires a venda dos olhos e
do coração.
Médium: Paulo Viotti Espíritos: Joana Darc/Adolfo/José Joaquim da
Silva Xavier/ Thomaz Antônio Gonzaga

Nenhum comentário:

Postar um comentário