quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Em busca da felicidade!


Com gratidão a Deus aqui nos entrelaçamos na nossa doce ciranda de amor, onde o carinho do trabalho contínuo reflete a certeza da Bondade de Jesus conclamando sempre ao serviço de edificação do Mundo Novo.
A alegria que transporta corações para as esferas iluminadas do firmamento é feita de dever cumprido com ausência total de julgamento.
Sem aprimorar o sentimento é impossível agir com imparcialidade na grande obra educacional que nos espera.
O barro precioso que temos para modelar, nossas almazinhas inseguras, por falta de afeto, chama-se boa vontade.
As almas infantis necessitam na atmosfera de dor/desencanto, sentirem-se amadas e protegidas, mas limites devem ser estabelecidos desde cedo para que o respeito nasça dentro dos direitos e deveres de cada um.
A natureza é um hino mudo à Criação. Ela nos transmite dentro das variadas decisões, e espécies o sinônimo de equilíbrio que a razão deixa envolver nas considerações a serem canalizadas.
No tocante aos limites estabelecidos ao jovem no campo da orientação sexual, o respeito deverá ser a proposta que norteará cada aula. Não é possível estabelecer parâmetro se não medir os valores de aceitação. Nem sempre a criatura estagia na mesma etapa de aproveitamento das lições supremas.
Querer ser feliz é a busca. A felicidade para muitos tem os nomes mais variados e, as vezes, se chama o sexo em desalinho do sentimento, pois ainda a alma estagia no terreno das satisfações dos instintos grosseiros.
Como forçar a própria natureza? A lei do Pai é feita de amor e sabedoria. Aquilo que aparentemente é um mal, nada mais é que o bem em andamento no grande processo evolutivo.
Evitar que o jovem leve o carro do veículo físico sem o comando, é forma educativa.
Mas colocar-lhe amarras como rédea de violência é erro semelhante.
Diferenciar liberdade de libertinagem é forma de escolher caminhos é a única medida de nele estabelecer condições para o momento de escolha.
A influência perniciosa do meio ainda é grave atuação nas mentes infantis. Mas norteá-la para as escolhas certas é a forma ideal de entender o que é o respeito não fazer aos outros aquilo que não se deseja para si próprio.
Eis ai o começo para o grande diálogo, para a valorização da vida na realidade do sexo desenfreado.
Deus nos ampare.
Meimei

(Mensagem psicografada pela médium Miltes Apparecida Soares de Carvalho Bonna, no CEOS – Centro Espírita Obreiros do Senhor)

Nenhum comentário:

Postar um comentário