quinta-feira, 8 de agosto de 2013

OBEDECER

OBEDECER 
Muitos companheiros no mundo categorizam a obediência, à conta de servilismo, no entanto, quando nos referimos à obediência, reportamo-nos à disciplina, sem a qual a ordem não existiria.
-x-
       A própria Natureza é um tratado dinâmico sobre o assunto.
       O Sol garante a vida no Planeta, por não desertar da própria órbita.
       A Terra não se destrambelha no Espaço Cósmico, em vista de atender aos encargos que lhe competem na lei de gravitação.
       A massa dos oceanos submete-se a princípios de contenção, fora dos quais, em se derramando, sufocaria a residência dos homens.
       As águas se subordinam à intervenção das próprias criaturas humanas, de modo a fecundarem o solo, nos mais diversos climas e regiões.
       Mestra da obediência, a árvore permanece no lugar em que foi situada e serve incessantemente sem perguntar.
-x-
               Pensa nisso e não fujas das obrigações que a vida te confia, a pretexto de seguir os costumes ilógicos e desconcertantes a que muitos setores da atualidade terrestre pretendem nomear como sendo renovação. A renovação legítima se nos verifica no âmago do espírito com vistas ao nosso próprio burilamento no mundo interior.
-x-
       Obediência para o bem é dever a cumprir.
       Compromisso com a desordem é subversão.
       Faze de ti mesmo o melhor que possas.
       Aceita os imperativos de serviço aos quais a vida te chama e o futuro te mostrará que construíste em ti mesmo a vitória da luz.

(De “Espera servindo”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

Nenhum comentário:

Postar um comentário