sábado, 16 de abril de 2011

ESPÍRITO – CORAGEM – COVARDIA – FORÇAS DO BEM E FORÇAS DO MAL

     
Como Cristo se posicionou face à covardia e a coragem do Espírito?
 

Trata-se de aceitar ou não o Vontade Divina em torno de nossas vidas.
Será que só os que aderem ao mal  que são corajosos, sem medo das conseqüências de seus atos?
E os bonzinhos de Deus, são sempre delicados, resignados, suportando por amor os malefícios dos agressivos e malévolos?
Certamente, que no longo da História houve confusão de conceitos entre ser bom e ser mau. Entendeu-se até que os bons devem se retirar do mundo pervertido, e procurar lugares distantes para não se contaminarem com a maldade.
 

E Jesus, fugiu do mundo, se afastou dos perdidos no mal e procurou apenas amigos acomodados?
A posição mais nefasta, certamente é a indiferença tanto perante o mal quanto em realizar o triunfo da verdade.


 
Os que fazem o mal sem constrangimento, talvez sejam os menos censuráveis, não enquanto fazem o mal, mas por manifestarem esta conduta e darem oportunidade de serem repreendidos e se darem conta que este não é o melhor caminho.
De qualquer maneira são espiritualmente corajosos no mal e displicentes no bem. Enquanto assim, não deixam de ser coerentes.
E quanto aos indiferentes que não tomam nenhuma posição, permitem que o mal aconteça e não fazem nenhum bem?



No Evangelho, Jesus demonstra que são os mais rejeitáveis porque  se julgam inocentes e  participam em nada.
Mas na verdade são medíocres, porque o espírito deles não se eleva e vibram num estado de dormência espiritual. Nenhuma evolução, ficam no entorpecimento, cometendo a crueldade passiva, pior que a ativa.
Praticam a pior coisa contra a Vontade Divina que é o espírito se elevar sempre mais dentro da leis e verdades do Criador.

 

“Como não és nem quente e nem frio, Eu te vomitarei”.
Talvez não entendamos suficiente e profundamente este pensamento de Jesus.
Coragem espiritual, pois, é dinamizar todas as energias para a promoção do bem que só procede da Vontade divina e não dos interesses do orgulho, do egoísmo, da ganância e outros.
 

Nessa oportunidade em que celebramos a Páscoa, voltando ao tempo de Jesus, quantos foram os corajosos para que Cristo não fosse vítima da maldade?
O pior não foi a maldade que Jesus sofreu, mas a covardia daqueles que na hora da Verdade preferiram os interesses dos mal intencionados, fazendo coro com eles, com medo de serem perseguidos e terem que agradar à mentira para serem bem aceitos, nem que seja para isso necessário negar a melhor das verdades, Cristo.

 

Sim, Coragem de espírito, significa dinamizar todas as energias interiores para que o maior bem aconteça interior e exteriormente.
Essa é a difícil caminhada do despertar espiritual, da evolução para Deus.
Mensagem - 13/04/2011 - Centro Chico Xavier/Viamão - Por Reinaldo Fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário